quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Rádios comunitárias perderam noção da natureza de nossa luta”, diz radialista de Cabedelo/PB


Rádios comunitárias perderam noção da natureza de nossa luta”, diz radialista de Cabedelo/PB



Para o jornalista e radialista Wellington Costa (foto),  diretor do site Soltando O Verbo, um dos mais influentes meios de comunicação da cidade de Cabedelo, a proposta da criação de uma Frente Ampla pela Liberdade de Expressão e pelo Direito à Comunicação é plausivel e merece a atenção e o apoio da sociedade, principalmente da sociedade organizada. “Grande parte dos grandes meios comerciais de comunicação estão contaminados pelo capitalismo e influência de políticos mal intencionados. Infelizmente, quando o Movimento pela Democratização das Rádios Comunitárias surgiu na década de 1980, tínhamos a mais perfeita proposta de democratização, porém, muitas rádios comunitárias da atualidade perderam o entendimento da natureza da luta e hoje, quando não estão a serviço de políticos, servem como fonte de renda apenas para o ‘diretor da entidade que a mantém’, desabafou Costa.

Wellington Costa, ainda defendeu a extensão do debate para cidades metropolitanas como a cidade de Cabedelo e defendeu a democratização de rádio comunitária, jornais impressos e concessões radiofônicas e televisivas financiadas com verbas públicas. “Não podemos aceitar que em pleno século XXI, tenhamos pessoas enricando em cima de concessões públicas de rádio e TV, quando estas deveriam ser concedidas por tempo determinado, como preconiza a Lei, o que não acontece”, disse Costa. “Veja o exemplo de algumas rádios comerciais que formam grandes redes, retransmitindo programações do sul do país, com uma programação musical em sua maioria internacional e que em nada representa a nossa realidade local. Apoiaremos de forma incondicional este movimento e iremos reinvindicar a participação de Cabedelo nele”, concluiu Wellington Costa.

Wellington Costa foi comunicador na Rádio Comunitária Kebramar, de Cabedelo, de onde se afastou por pressão política.

3 comentários:

  1. Os objetivos das comunitárias, conforme a própria legislação, são oferecer oportunidade para a difusão de idéias, tradições e hábitos sociais da comunidade, além de prestar serviços de utilidade pública, entre outros.agora sei bem que as rádios comunitárias ainda estão nas mãos de politicos ou de amigos deles,vai saber onde iremos parar com isso? no Brasil manda quem tem;mandato ou dinheiro, uma Democracia do faz de conta!

    ResponderExcluir

  2. O processo que faz fluir a democracia corre contra a intenção de manutenção de poder tão comum em nossa sociedade. A cultura humana e isso parece universal apresenta uma dinâmica que interfere na vida dos sujeitos com vistas a manter sempre uma sobreposição de um grupo ao outro. A questão do poder é uma grande barreira que em nada ajuda para fazer nascer a verdadeira democracia. Piaget ou Pinochet? No campo da gestão podemos refletir qual a forma de gerir é mais eficiente. Construtivista ou ditatorial? A história social das relações políticas já nos deu a resposta, portanto ainda há um grande fascínio pelas práticas ditatoriais, e muitos ainda acreditam que essa prática sumiu da do cotidiano.

    Entretanto o processo que amplia a democratização e contrário à apropriação privada dos mecanismos de poder, resultando em uma contradição: apesar de pessoas participando organizadamente e assim constituindo-se como sujeitos políticos e coletivos, há também a manutenção da apropriação restrita do estado por um pequeno grupo de membros da classe economicamente dominante ou por uma restrita burocracia que o serve. (HORA,

    ResponderExcluir