Pular para o conteúdo principal

Amigos dão adeus a Bosco Moisés

Amigos dão adeus a Bosco MoisésJoão Bosco Rufino Moisés foi velado na manhã de ontem na sede do Rancho Não Posso Me Amofiná. (Foto: Janduari Simões/Diário do Pará)


Parcialmente coberto pela bandeira da escola de samba da qual fez parte por dez anos, o corpo de João Bosco Rufino Moisés foi velado na manhã de ontem na sede do Rancho Não Posso Me Amofiná, no bairro do Jurunas, em Belém. Apontado por muitos como o grande responsável pela criação da sede ainda em 1987, o político atraiu vários conhecidos empenhados em prestar a última homenagem. Bosco morreu na segunda-feira à tarde, após passar mal, com problemas cardíacos, na noite do último domingo em São João de Pirabas, Nordeste do Pará, onde morava.
Sem esconder as lágrimas que corriam fáceis pela morte de Bosco, a dona de casa Maria Amélia da Costa lembrava, a todo momento, dos carnavais organizados por ele na época em que ela trabalhava na bilheteria da escola de samba. Com as lembranças carregadas de admiração e gratidão, Amélia fazia questão de apontar o apoio dado por ele também à comunidade do Jurunas. “Foi um pai para a minha família. Eu trabalhava na bilheteria na época em que ele esteve aqui e lembro que ele me ajudou muito. É uma perda muito grande”, lamentava. “Ele era tudo! Muito especial mesmo. Ajudou muito não só a minha família, mas toda a comunidade. Ele está aqui, mas para a gente ele não morreu”.
Acostumada a desfilar nos carnavais organizados por Bosco durante o período em que fez parte da administração da escola, período apontado por muitos como o de grande auge do carnaval paraense, a dona de casa Oneide Monteiro também só tinha boas lembranças. “Eu desfilei quatro anos seguidos. Fantasia eu nunca comprei, ele sempre dava”, recordava. “Ele ajudou muito”.
Com muitas coroas de flores em homenagem já penduradas em volta do caixão, a todo o instante chegavam amigos, parentes, políticos e até desconhecidos que faziam questão de se despedir. Sem nunca ter visto João Bosco Moisés, a manicure Leila Passos fez questão de ir ao velório pelo o que ele representou para o Rancho. “Meu pai conheceu ele na época em que Bosco foi aqui do Rancho, por isso que eu vim”, comentou. “Ele fez muito por todo mundo aqui”.
Conscientes da relação de Bosco com a escola de samba, para a família não poderia haver lugar mais adequado para o velório. “A gente sabia que o melhor lugar para acolher ele seria aqui por tudo o que ele fez”, confirmou a sobrinha do político, Ana Laura Tamer. “Ele tinha uma paixão muito grande pela escola”.
De acordo com o atual presidente do Rancho, Jango Vidal, além da comunidade do Jurunas, a família ainda aguardava a chegada de amigos de Bosco de São João de Pirabas, município do qual foi prefeito por duas vezes. 
“Ele deixou um legado imenso aqui no Rancho. Foi a pessoa que construiu o patrimônio que temos hoje. Enquanto ele estava aqui, o carnaval paraense chegou a ser o 2º do Brasil”, afirmou Jango. “Estão vindo vários ônibus de São João de Pirabas para acompanhar o enterro e prestar homenagens”.
O corpo de João Bosco Moisés foi sepultado à tarde, no cemitério Santa Izabel, no centro de Belém.
(Diário do Pará)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

Os 7 lugares impenetráveis do mundo

Os 7 lugares impenetráveis do mundo NOV 23 2009
Segue a lista dos 7 lugares de impossível acesso espalhados pelo mundo. São invulneráveis à entrada de qualquer pessoa não autorizada e foram estrategicamente construídos para evitar que isto aconteça. Look: . 1. O abrigo de sementes do fim do mundo A caverna (ou abrigo) de sementes do juízo final situa-se numa ilha norueguesa no Oceano Ártico aberto em 2008, criando um banco de mais de 100 milhões de sementes representando todas as principais culturas alimentares na Terra.
Trata-se então de uma gigante Arca de Noé afim de preservar a nossa flora, por milhares de anos. Se nossas espécies se acabarem por guerras, doenças ou até mesmo pelo aquecimento global, poderão ser reabastecidas a partir destas sementes, que estão protegidas 400 pés montanha abaixo, com todo o tipo de proteção para conservar nossas sementes. O local é constantemente protegido por guardas armados, pode suportar terremotos de magnitude 7º e também resiste a um ataque nuc…