Pular para o conteúdo principal

Isolados pela sociedade: conheça a cidade de Pahokee, lar dos criminosos sexuais

25/5/2015 às 00h10

Isolados pela sociedade: conheça a cidade de Pahokee, lar dos criminosos 
sexuais

Moradores andam pelas ruas com rastreadores nos tornozelos e reclamam do isolamento
Do R7
"É basicamente uma comunidade como qualquer outra", afirmou um dos moradores da vilaReprodução/ GQ
Criminosos sexuais condenados e registrados nos Estados Unidos perdem, por lei, o direito de escolher onde querem viver. Isso se dá por conta da restrição judicial que impede essas pessoas de viverem a menos de 300 metros de escolas, parques e pontos de ônibus.
Poucos lugares aceitam receber essas pessoas, o que faz com que um contingente muito grande fique reunido em uma mesma região. É o caso da cidade de Pahokee, no sul da Flórida. A região, que se assemelha a uma vila, é constituída por diversas casas construídas para os trabalhadores migrantes dos anos 60 por uma empresa de exploração de açúcar, e fica distante de qualquer centro comercial.
O repórter Jay Kirk, da revista americana GQ, passou alguns dias na cidade e conheceu seus moradores, inclusive Rose, a única mulher registrada como criminosa sexual da cidade. Já os homens andam tranquilamente pelas ruas com rastreadores presos aos tornozelos à mostra.
"É basicamente uma comunidade como qualquer outra", afirmou um homem identificado como Ted. “Há vários casais e alguns com crianças”, disse ele.
Um dos condenados reclama da dificuldade de se conseguir emprego sendo um condenado sexual. “Eu estava pronto para trabalhar na indústria de fast-food, apenas para poder sobreviver e pagar minhas contas. Mas porque iriam haver menores de idade trabalhando comigo, fui proibido", contou.
Apesar de serem taxados pela sociedade como a escória da humanidade, diversos dos moradores de Pahokee foram condenados apenas por conta das leis rígidas e que não levam em conta as especificidades de cada caso.
Alguns foram condenados por manterem relacionamentos com garotas menores mas cuja diferença de idade era pequena, por exemplo: namoradas de 15 ou 16 anos de idade, quando os homens tinham 18 ou 19. Esta simples transgressão pode levar a 15 anos de prisão e um carimbo de criminoso sexual que ficará no registro da pessoa para sempre.
  • Espalhe por aí:
  •      
  •      
  •  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

Loteria dos EUA sorteia prêmio de US$ 1,5 bilhão nesta quarta

Loteria dos EUA sorteia prêmio de US$ 1,5 bilhão nesta quarta Valor está acumulado desde novembro, quando último ganhador saiu.
Prêmio é o maior da história da Powerball. Da Reuters FACEBOOK