Pular para o conteúdo principal

PT- E agora José ?

Abandonado, fundador do PT perambula pelo centro da cidade

Jorge Natal01/06/2015 13:18:43
O trabalhador rural Alberto Monteiro, perambula pelas ruas do centro de Rio Branco
Abandonado pelos “companheiros”, o trabalhador rural Alberto Monteiro, perambula pelas ruas do centro de Rio Branco
Um dos fundadores do PT no Acre, o trabalhador rural Alberto Monteiro, perambula pelas ruas do centro da cidade. Vivendo de biscate e da ajuda de amigos, ele passa a maior parte do dia embaixo de um apuí, nas proximidades do Terminal Urbano. Apesar de não beber ou usar drogas, o ex-militante, obviamente pela aparência, é estigmatizado pela maioria das pessoas. Mas é só por quem não o conhece.
Alberto é lúcido, politizado e atualizado com o que o cerca, seja no campo da política e economia, como nas relações humanas. “Eu sou de uma época em que o propósito da política era servir. Fui muito influenciado pelas ideias da Teologia da Libertação, que apregoava a opção pelos pobres, mas que, no fundo, tinha mesmo era a ideologia do marxismo-leninismo”, lembrou ele, considerando-se um trotskista. Ele também gosta de ser chamado pelas letras RR, iniciais das palavras Revoltado e Revolucionário.
Nascido em Rio Branco, Alberto chegou ao movimento sindical pelas mãos de outro fundador do PT, o então delegado da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Agricultura (Contag), ex-deputado João Maia. “Entrei no sindicato e, logo em seguida, assinei ficha de filiação no PT, devidamente abonada pelo Élson Santiago”, disse ele, em meio a risos, devido à contraditória trajetória política seguida pelo ex-deputado.
Após a abertura política e a consequente criação dos partidos, Alberto recordou que o PT precisava “divulgar as suas propostas”, lançando candidatos a todos os cargos disponíveis. Em 1982, ele foi a candidato a vereador cujo slogan era ‘Trabalhador Vota em Trabalhador’. “Era voto cerrado. Naquela mesma eleição, onde o Nilson Mourão e Abrahim Farhat eram os majoritários (candidatos a governador e senador, respectivamente), os irmãos Santiago (Élson e Carlinhos) e o João Maia usaram o slogan que retrata bem aquela época: Terra, Trabalho e Liberdade”, conta Monteiro.
BIN_03
Desilusão e abandono  
Indagado sobre os motivos de está vivendo em condições adversas, Aberto atribuiu a dois acontecimentos: a desagregação familiar e a sua auto reclusão por não acreditar mais na politica como instrumento de transformação da sociedade. “Quando eu me separei, passei por momentos difíceis, porém a desilusão com o PT foi muito maior. A turma do partido era a minha outra família, então, perdi duas famílias ao mesmo tempo”, desabafou, destacando que o único contemporâneo seu que não lhe virou as costas foi Abrahim Farat, o Lhé. “Ele é um companheirão que sempre me ajuda com alguma coisa”.
Quando não está vendendo picolés ou fazendo mandatos, Monteiro está conversando com amigos no centro da cidade. “Ninguém conhece a vida dele. Ele gosta de conversar política com pessoas idosas”, disse o mototaxista Carlos Jorge Santos da Cruz, para quem “Bin Laden” (apelido dele) é um homem muito inteligente.
Alberto mora como agregado na casa de um amigo no bairro Santa Inês, de onde caminha todos os dias até o centro da cidade. Por volta de 11 horas, ele, que acaba de completar 65 anos e assim pode se aposentar pelo INSS, atravessa a catraia no bairro da Base e vai almoçar em um restaurante popular, localizado na Baixada da Sobral.
“Os irmãos Viana arruinaram o Estado”
BIN_04Poucos colaboraram com o PT como Monteiro, que foi candidato nas eleições de 1982, 1986, 1988, 1990 e 1992. “Além de levar as propostas do partido, a gente era candidato para fazer legenda e eleger os candidatos mais fortes como a Marina, o Nilson Mourão e a Francisca Marinheiro”, disse ele, atribuindo a estes o advento e consolidação dos irmãos Jorge e Sebastião Viana no PT. “Eles os trouxeram e os deixaram acabar com o partido, além de arruinarem os quatro cantos deste Estado”.
Certa vez, ainda de acordo com Alberto Monteiro, perguntaram-lhe os motivos de seu afastamento do PT. “Não me afastei. Fui enxotado da prefeitura pelo Jorge Viana. Isso porque eu perguntei o que ele e o partido iriam fazer pelos candidatos que não haviam sido eleitos”, relembrou, registrando que, a partir daquele dia, não seria mais integrante da legenda.
Alberto é também um ferrenho crítico da política economia da presidente Dilma Rousseff, atribuindo-lhe à atual crise. “Temos 0,04% do orçamento da União destinado à cultura. Menos de 4% para a educação. Isso jamais pode ser um projeto de nação”, detonou Alberto Monteiro, afirmando que o ex-presidente Lula é o principal responsável pelos desmandos do país. “O Lula é um traidor”.= Para ajudar você a refletir


  1. “dialética da traição”, no imaginário social e político brasileiro

    www.achegas.net/numero/29/aluizio_alves_29.htm

    De imediato, a questão de se Judas Iscariotes é um traidor ou não rendeu vários comentários e artigos na mídia. A respeito, um renomado colunista do já citado ..

    1. A República Oligárquica - 1894-1930 - Rio de Janeiro

      www.marcillio.com/rio/hirevco1.html

      No período conhecido como República Oligárquica os Presidentes eleitos ... São Paulo e Minas Gerais praticavam a política "café com leite", referência a ..... Nossa História, Ano 2, Número 19, texto: "Aliança "Café ... Nas eleições de 1945 e 1947 surgiu entre o eleitorado rural a "traição" dos empregados aos fazendeiros. Para ajudar você a refletir-

  2. .

BIN_05

Comentários

  1. Olha, politica tem muito dessas coisa , já vi ex-vereador morrer e ser enterrado como zé qualquer ,até já vi ex -motorista de deputado vira deputado e o ex deputado ficar esquecido pelos amigo e pelo seu ex-motorista ,aqui bem perto de nós em Plácido de Castro o ex prefeito João Moreira Mai ( joca ) dizem que morreu no meio dos amigo porém sem amigos . e olha que ele foi sim uma boa pessoa

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda