Pular para o conteúdo principal

Fotos Históricas: convento demolido para a nova Faculdade de Direito

Fotos Históricas: convento demolido para a nova Faculdade de Direito

Do prédio antigo, construído em 1643, só foi mantido o pátio e o túmulo de professor alemão

14 de julho de 2015 | 16h 51
Carlos Eduardo Entini

                                                                                                                                    Acervo/Estadão        


A foto do largo de São Francisco, publicada no Estadão em 21 de agosto de 1935, traz duas notícias. A primeira é o início das obras do novo prédio da faculdade de Direito, que funcionava desde 1828 no claustro do convento Franciscano. A outra é a demolição do prédio centenário do convento de São Francisco, que começou a ser construído em 1643 pelos freis da ordem e inaugurado em 1647.

As mudanças para ampliar as instalações da Faculdade de Direito começaram em 1932. No começo foram internas, mas em 1935 as paredes já estavam todas no chão. Do prédio original só sobrou o pátio e o túmulo do professor alemão Júlio Frank, morto em 1841. Por ser protestante, nenhum cemitério abriu as portas para seu enterro. Sobrou o pátio da faculdade onde deu aula desde 1832 no Curso Anexo da Academia de Direito.

O Estado de S. Paulo - 21/8/1935

Os franciscanos tentaram em vão impedir a reforma. Entraram com ação em 1932 requerendo a propriedade do prédio. Mas a Justiça não deu ganho de causa aos religiosos. A decisão final chegou em 1940, quando o novo prédio da faculdade já estava construído e funcionando.
O novo prédio, com quatro andares, foi projetado pelo arquiteto Ricardo Severo. Ele procurou manter o equilíbrio arquitetônico dos prédios vizinhos, a igreja de São Francisco e a sacristia. O arquiteto também reproduziu na parte interna do prédio as cinco arcadas do claustro.
Para ver outras 'Fotos Históricas', navegue na galeria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda