Pular para o conteúdo principal

Da riqueza à falência, em mercado só ficou o que está no carrinho na calçada

Da riqueza à falência, em mercado só ficou o que está no carrinho na calçada

 

Carrinhos de supermercado já enfejurrados que servem de vitrine para os produtos ‘sobreviventes’ alface, abóbora e laranja. Carrinhos de supermercado já enfejurrados que servem de vitrine para os produtos ‘sobreviventes’ alface, abóbora e laranja.
É uma das cenas que chama atenção quando a gente vira à rua por engano. Ou passa a procurar outro comércio. Na rua Estevão Alves Corrêa, em Aquidauana, o que sobrou do Mercado Xodó está na calçada. Não tem quem não veja os carrinhos de supermercado já enfejurrados que servem de vitrine para os produtos ‘sobreviventes’ do estabelecimento: alface, abóbora e laranja pelo preço de R$1. A placa que anuncia carne de carneiro e de porco raramente é posta. Só quando tem mesmo. 
Por trás do mercado modesto já tiveram vários clientes que inclusive usavam os carrinhos para o leva e trás de compras. Há 30 anos, o dono José Donizete dos Reis, leu a palavra ‘xodó’ numa revista, gostou e decidiu que este seria o nome do comércio meio vermelho, meio rosado. “Antigamente vendia de tudo um pouco”, recorda o proprietário.
Mineiro, de 58 anos, mas instalado há décadas em Aquidauana, hoje Zé diz que vive do que os carrinhos guardam: alface, abóbora e laranja. “Foi dívida, separação, acabou casamento, mercado. Está assim de 2005 para cá”, explica em poucas palavras.
Há 30 anos, o dono José Donizete dos Reis, leu a palavra ‘xodó’ numa revista e gostou. Há 30 anos, o dono José Donizete dos Reis, leu a palavra ‘xodó’ numa revista e gostou.
Com o tempo ele se abre e diz que por José Donizete ninguém o conhece e que ele em Aquidauana é o Zé Galinha. Apelido que ganhou por vender galinhas na cidade na década de 80. Daqueles tempos, só ficou mesmo um pequeno sítio que dá as frutas e verduras que abastecem ‘xodó’ e o mercadinho.
A propaganda acaba fazendo com que cliente leve pé de alface para casa. “Eles param, compram pelo impulso”, descreve. Quando pergunto se ali, entre gôndolas quase vazias e um cenário de abandono, ele trabalha sozinho, vem a resposta que está na ponta da língua. “Eu e Jesus. Jesus me dá saúde e eu trabalho”, fala.
Zé Galinha foi rico. “Era bem melhor, eu já fui rico. Mas foi tudo negócio mal feito e hoje ando de mototáxi, à pé”, descreve. Quando surge maior confiança ele acrescenta que na década de 90 tomou um calote de R$ 100 mil. “Se eu tivesse parado, eu tinha recuperado, mas entrei na mão de agiota, de banco e foi para o pau”, resume.
O prédio que abriga o xodó até daria uma grana, mas a estrutura guarda muita burocracia e um rolo dos grandes, que ninguém assume comprar. “Até aparece, mas vê o que tem e desiste”, completa.
A falência parece ter servido de lição. Zé Galinha diz que aprendeu que a vida é assim mesmo. “A gente só sabe as dificuldades quando passa. A vida, como pude aprender, é assim”.
Os pés de alface são vendidos por R$ 2. Já a laranja sai por R$ 1,30 o quilo e a abóbora, por R$ 1,50, também o quilo.
No fim das contas, o mercado Xodó abre de segunda a segunda, até em domingo e feriado a partir das 6h30 da manhã.
O prédio que abriga o xodó até daria uma grana, mas a estrutura guarda muita burocracia que ninguém assume comprar.O prédio que abriga o xodó até daria uma grana, mas a estrutura guarda muita burocracia que ninguém assume comprar.
No fim das contas, o mercado Xodó abre de segunda a segunda, até em domingo e feriado a partir das 6h30 da manhã, vendendo verduras e frutas. No fim das contas, o mercado Xodó abre de segunda a segunda, até em domingo e feriado a partir das 6h30 da manhã, vendendo verduras e frutas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda