Pular para o conteúdo principal

Editorial: Linchamento, a falência da ordem e da moral

:

Editorial: Linchamento, a falência da ordem e da moral

O que não pode é o Brasil afundar-se de vez na violência intolerante e virar um Estado sem lei

O Dia

Rio - Que seria mais bárbaro? As execuções ‘hollywoodianas’ propagandeadas pelo Estado Islâmico ou flagrantes de linchamento nas ruas do Rio disseminados pelo WhatsApp? Obviamente, as duas atrocidades se equivalem, sendo irrelevante discorrer sobre qual é pior. O grave, entretanto, é descobrir que o Brasil é o país onde mais se lincha no mundo, mais que qualquer outra nação dita fundamentalista. E os justicismos tendem a aumentar.
Estudo do sociólogo José de Souza Martins, da USP, produziu ampla estatística sobre casos de justiça com as próprias mãos, como O DIA mostrou neste domingo. O especialista resume bem a fase por que o Brasil está passando: “uma crise de desagregação social” alimentada pelo ódio.
Mas o grande volume de justiçamentos indica ainda uma crise — quiçá uma falência — das instituições, principalmente no que toca à confiança e à credibilidade delas. Por falhas amplamente conhecidas — insegurança, despreparo da polícia, Justiça lenta e sistema prisional insalubre —, perde-se a confiança no Estado como autoridade.
É preciso brecar urgentemente essa tendência, infelizmente algo que não se consegue da noite para o dia e sem trabalho árduo. E justamente o que motiva o barbarismo nas ruas, as instituições enfraquecidas, é o caminho para extirpá-lo: polícia cidadã nas ruas, Justiça ágil, prisões voltadas à reinserção. O que não pode é o Brasil afundar-se de vez na violência intolerante e virar um Estado sem lei.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda