Pular para o conteúdo principal

Acre= se é por falta de um Adeus, siga em paz, Sebastião.

Sebastião dá sinais claros de que não vai concorrer a nenhum cargo e sairá de cena…por um tempo

Marcos Venicios, do ac24horas02/09/2015 08:01:27
Sebastião_atchim!_300É isso mesmo. Sebastião Viana, o homem mais poderoso e influente do Acre, que desafiou tudo e a todos por suas ideias – boas ou más – vai deixar a cena política  em 2018, ano em que encerrará o seu segundo mandato como governador do Acre. A informação é quente e vem de pessoas próximas, amigos e conselheiros. Alguns que, inclusive, vivem bem longe do poder e glamour do Palácio Rio Branco. Eles são taxativos em afirmar: “Ele sai, mas para descansar, depois retorna”.
A decisão de Sebastião, que ainda não é oficial, é ventilada entre os cardeais do PT como a melhor notícia que o senador Jorge Viana, seu irmão, poderia ter, apesar de ambos demonstrarem cautela sobre o assunto. O fato do atual governador poder abrir mão de disputar um mandato no senado, onde ele e seu irmão Jorge, poderiam até fazer uma dobradinha pelas duas cadeiras disponíveis significaria um risco real de um dos dois ficar para trás. Afinal de contas, o PT não tem a mesma moral de antes e cá entre nós, o sobrenome Viana há muito tempo não é unanimidade, apesar de a família ter contribuído positivamente para o Acre, até certo ponto.
Com a imagem desgastada pelos desdobramentos da Operação G7 e  por ter colocado membros do Poder Judiciário  em situações vexatórias, Sebastião defendeu com unhas e dentes seus pontos de vista. Mas apesar de ser contundente no que queria, sofreu pela inabilidade de governar um Estado onde o seu grupo político  comanda com mãos de ferros há quase duas décadas. O fato é que ele soube ser senador, mas não governador.  Ele viu o seu pior “inimigo” emergir das fileiras do PT. Foi combatido por uma -ex-companheira, Rosana Nascimento, presidente do Sinteac, que mobilizou a categoria como nunca vista antes para desmoralizá-lo em uma greve histórica que durou mais de dois meses, O desgasta foi tremendo e é bem provável que não seja esquecido tão cedo, pelo menos é o que dizem os professores.   O corte dos pontos e a demissão dos provisórios ficarrão para história como um dos atos mais nefastos que um governo do PT praticou no Acre. Afinal, quem não lembra  do tempo quando o partido não tinha poder e radicalizava nas greves?
Nunca se viu na história recente do Acre, um governador da FPA apanhar tanto. Parece que Sebastião foi sorteado, jogado aos leões. Ele não é santo, longe disso. Mas é de se pensar que alguém que tem jornais na mão, Televisões e uma militância muito bem paga, não consiga surfar diante dos adversários. Só no Acre, uma oposição desorganizada e sem projeto definido como a atual, bate num Sebastião abatido, apesar dos assessores próximos dele negarem. Aliás, por falar em assessores, eles comentam que até o final de 2018, o chefe do Palácio Rio Branco terminará sua jornada com grandes feitos: como a conclusão da Cidade do Povo, o fortalecimento da Peixes da Amazônia e a possível eleição de Marcus Alexandre Viana ao governo. Isso é fato, Marcus é o escolhido.
Se Marcus é o escolhido para o governo, quem seria o possível segundo candidato da FPA no senado, já que o nome de Jorge Viana é certo? Eis que surge uma liderança aparentemente jovem, que consegue “ciscar para dentro”. Trata-se de Ney Amorim, presidente da atual legislatura da Aleac, que foi o deputado estadual mais votado em 2014. Dentro do grupo, ou melhor, dentro do PT, Ney se credencia como o nome que faria coesão frente a todos os seguimentos da politica.
Outro nome, dentro do PT, é a atual vice-governadora Nazaré Araújo, a preferida de Sebastião para a segunda vaga. Ela goza de um prestigio exacerbado na família. É daquelas que vai a casa do governador comer o churrasco de domingo e tomar banho de piscina.
E correndo por fora, o azarão dos azarões, o deputado federal César Messias (PSB). Considerado um dos principais lideres políticos da região do Juruá, Messias, que já foi vice-governador de Sebastião, aparece como o indicado do PSB, segundo partido mais influente da Frente Popular, já que o PCdoB de Edvaldo Magalhães e Perpétua Almeida, após as eleições de 2014, se tornou partido inexpressivo, “o cachorro vira-lata”, para alguns petistas. César tem aparecido em diversas “agendas positivas” ao lado de Jorge e Sebastião e isso vem causando uma ciumeira tremenda entre os petistas do Acre que detém mandato em Brasília.  Um deles, é o Leo de Brito, , que vem sendo preparado aos poucos para dar voos maiores na política e não quer ficar de fora dos flashes.
O cenário posto evidencia que o velho filme certamente será repetido para os partidos nanicos, que continuarão como meros coadjuvantes, não resistindo as enconchadas do poderoso e sombrio Carioca Nepomuceno, o “Don Juan do PT”. Vocês sabem o motivo.
E com relação ao governador, se é por falta de um Adeus, siga em paz, Sebastião.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda