Pular para o conteúdo principal

Quando você perde tudo


Pessoas transformadas pela perda, famílias inteiras separadas, novos órfãos entregues à própria sorte, tristeza estampada no rosto, lágrimas escorrendo pela face. Esse é o retrato amargo da catástrofe recentemente ocorrida no Rio de Janeiro e que muda vidas.
Como deve ser para essas pessoas o dia seguinte e como é transpor a adversidade mais adversa que se tem notícia, que é perder tudo: o chão, literalmente, os familiares, a casa, o lar?
Estou aqui somente lançando mão da teoria, porque sou - talvez do mesmo modo como você que está lendo - privilegiada por nunca ter passado por uma situação como essa. Vivemos perdas ínfimas se comparadas ao que essa gente de fato está vivenciando.
Ao se deparar com o nada, como seguir em frente e ter forças para recomeçar? Alguns moradores relatavam que estavam na cama, fazendo suas orações, quando aconteceu a tragédia, arrastando-os com árvore e tudo morro abaixo. São depoimentos que nos entristece e nos traz à tona nossa fragilidade como humanos.
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *
O que não nos mata nos faz fortes
A partir dessa situação ocorrida não só no Rio de Janeiro, mas em São Paulo, no Haiti e em Santa Catarina não faz muito tempo, é importante tirar lições que vêm da crise. Ressalto aqui a lição que vem da árvore carvalho. Cultuado pelos celtas na antiguidade como ponte com a espiritualidade e o divino, o carvalho é uma árvore tão forte que se curva mas resiste às mais terríveis tempestades, verga mais não quebra. De raízes profundas, a tempestade é uma oportunidade para se fortalecer e se tornar mais forte e resistente às intempéries.
Lógico que não somos árvores, flores ou pedras. Mas Deus nos deixou a natureza como amparo para essas horas mais difíceis, essa mesma natureza que nos dá avisos de que nos comportamos muitas vezes como predador e acabamos, infelizmente, pagando pelas consequências de nossos próprios atos. Prova de que, para toda ação, existe uma reação, geralmente causada por nós mesmos e que temos que dar conta de pagar - por mais sofrido que seja.
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *
A lição que vem da águia
Para ilustrar o que a natureza nos ensina, um exemplo muito interessante é o da águia, que vive 70 anos e precisa passar por uma transformação quando atinge os 40 anos. Nessa idade, as unhas compridas e flexíveis impedem de agarrar as presas das quais se alimenta e o bico alongado e pontiagudo curva-se. Apontando contra o peito estão as asas envelhecidas e pesadas em função da grossura das penas. Voar já é precário e muito difícil.
Ela precisa passar por um processo doloroso de cinco meses, onde vai viver o próprio inferno interno. Para poder viver por mais 30 anos, ela se isola e começa a bater com o bico no paredão até arrancá-lo. Com o novo bico, arranca suas próprias unhas e, quando estas começam a nascer, é hora de arrancar as velhas penas. 
Um sofrimento que Deus permite para que sobressaia o bem, ou seja, mais vida.
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *
A atitude de fé de Jó
Se as perdas são inevitáveis, a grande questão é saber como reconstruir sobre os estragos. Na Bíblia, existem vários exemplos de gente que contou apenas com a fé para colar os cacos depois de viver grandes tragédias pessoais.
O caso mais clássico é o de Jó que, segundo narra a Bíblia, era um homem íntegro, próspero e feliz, mas num único dia seu mundo caiu: perdeu os filhos num desabamento, teve os bois e os camelos roubados, perdeu as ovelhas num incêndio e contraiu uma doença que causava feridas dos pés à cabeça.
Ao contrário do que qualquer humano suportaria e com certeza iria questionar onde estaria a bondade de Deus, Jó louvou ao senhor pelo infortúnio e, passada a dura prova, depois de muitos questionamentos e respostas, a Bíblia diz que Jó foi mais abençoado na última parte de sua vida do que na primeira.
Isso nos faz ter a certeza íntima de que o sofrimento é uma forma que Deus utiliza para nos revelar a nós mesmos. Frente a frente com a tragédia ou em situações adversas, revelamos nossa força ou fraqueza, nossa fé, enfim, quem realmente somos quando tudo está contra nós. 
Temos uma singela declaração de Jó que serve para os dias mais angustiantes: "Antes eu te conhecia de ouvir falar, mas agora meus olhos te veem". Após todo o sofrimento de Jó e de viver o escárnio sobre si mesmo, Deus consolou Jó com uma revelação sobrenatural sobre si mesmo respondendo a Jó de forma magnífica através de um redemoinho. Jó conheceu a Deus através do sofrimento. Essa escolha depende de cada um de nós nas mais diversas situações de vida que se descortinam à frente.

Frases 

"O Deus Todo Poderoso, por ser soberanamente bom, nunca deixaria qualquer mal existir nas suas obras se não fosse bastante poderoso e bom para fazer resultar o bem do próprio mal".
Santo Agostinho
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *
anapaula @stampanews.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda