Pular para o conteúdo principal

Tiros na humanidade

Tiros na humanidade

ALBERTO OLIVEIRA – JORNALISTA
Os tiros disparados na noite luminosa de Paris ferem a humanidade, são uma ameaça à liberdade dos indivíduos – independente de sua nacionalidade, raça ou credo -, à igualdade entre os povos, à fraternidade que deveria unir a todos.
Os sinos que dobrarão nas históricas catedrais parisienses pelos mais de 100 mortos estarão, sim, tocando por todos os cidadãos do mundo livre. O 13 de novembro francês – como o 11 de setembro norte-americano – precisará ser lembrado sempre, para que se consiga perceber a que ponto pode chegar a barbárie, alimentada por argumentos incompatíveis com a civilização, e o quanto devemos nos esforçar para impedi-la.
Nunca o terror conseguiu curvar o homem e certamente não serão os estilhaços de Paris, o barulho dos tiros em Paris, o horror que se abateu sobre parisienses e visitantes que irão ferir de morte o avanço dos ideais de democracia, que implantarão sobre os povos o totalitarismo, o obscurantismo, ou trarão de volta as trevas da Idade Média.
Promoveu-se um banho de sangue, fez-se uma carnificina – desenho acabado da estupidez – nas ruas de uma cidade mundialmente conhecida por abrigar exemplos incontáveis da genialidade humana – no campo das artes e da arquitetura, por exemplo. Tentou-se transformar em túmulo uma cidade que “é uma festa” – na expressão imortal do escritor Ernest Hemingway -, mas não se apaga a tiros a chama que anima a liberdade dos povos.
O clarão provocado pelos disparos na noite da chamada cidade-luz iluminou o mundo, e logo reações de horror, de rejeição à insensatez levada a seu grau extremo sacudiram as redes sociais. Problemas pessoais foram esquecidos, dificuldades colocadas temporariamente de lado, para que se pudesse mostrar que não, o mundo não irá se curvar às balas do terror. Em lugar de fragilizar os povos ele servirá para uni-los em torno do objetivo comum: o de uma sociedade onde se possa viver com liberdade, igualdade e fraternidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda