Pular para o conteúdo principal

Vozes da resistência: histórias de quem participou da ação cívica contra os nazistas

Vozes da resistência: histórias de quem participou da ação cívica contra os nazistas


A lembrança de como foi dolorosa a Ocupação está nas mentes de diversos sobreviventes dos anos de guerra no século passado
Diante do poderio alemão, conclamar a liberação da França só foi viável com a ajuda das tropas dos países aliados que no Dia D, 6 de junho de 1944, sob o comando do general norte-americano Eisenhower, desembarcaram na Normandia.
Luciano Fogaça/Opera Mundi

Yvette, hoje, com 87 anos, tinha 17 quando a Alemanha invadiu a França, e não fazia ideia do quanto sua vida se transformaria 

Charles Pegulu de Rovin, hoje, com 89 anos, participou da Liberação de Paris, e chamado porOpera Mundi a descrever como veio a se engajar nas ações contrárias aos alemães, contou: “Era 1943, eu tinha 18 anos. Havia uma perspectiva de bombardeio, mas não houve; ainda bem, pois eu estava armado apenas com uma metralhadora Sten e tudo que eu possuía de munição produziria apenas 30 segundos de fogo. Nós entramos, então, pelas portas do lado do Hotel de Ville (equivalente à prefeitura), onde estavam os alemães, e eles se renderam no dia 25 de agosto de 1944”.
Leia também: Resistência Francesa: legado de bravura e liderança é lembrado décadas depois

O ex-combatente se lembra de seu engajamento como uma ação cívica indispensável da qual ele jamais poderia ter se negado a cumprir: “Nós estávamos ocupados pelos alemães, e era uma ocupação pesada, demorada – já fazia quatro anos. Havia alemães por todos os lados, havia toque de recolher, existiam calçadas nas quais não podíamos pisar. Então, quando eu soube de um possível bombardeio em Paris, eu fui ajudar a construir a Liberação. Se seu país está ocupado, é um dever seu recuperá-lo”, declara.
Luciano Fogaça/Opera Mundi

Da esquerda para direita, o ex-combatente Charles Pegulu de Rovin e seus companheiros da Segunda Divisão Blindada
A lembrança de como foi dolorosa a Ocupação também está marcada na memória de Yvette Buisson, cujo pai adotivo, Maxime Védy, e pai natural, Gilbert Médéric Védy, foram capturados pela Gestapo e morreram antes da Liberação.

Yvette, hoje, com 87 anos, tinha 17 quando a Alemanha invadiu a França, e não fazia ideia do quanto sua vida se transformaria: “eu perdi minha juventude; foi um tempo sem viagem, sem saídas, sem alegria, sem bicicleta; a brutalidade dos alemães estava por todos os lados”, recorda.

“Qualquer pessoa vista como progressista era tomada como inimiga quando a Alemanha nos invadiu. Na década de 40, progressista era qualquer pessoa contrária ao estabelecido”, explica Yvette.

Resistência Francesa: legado de bravura e liderança é lembrado décadas depois

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda