Pular para o conteúdo principal

Nepal é um dos países mais pobres da Ásia

Frágil economia do Nepal é arrasada por terremoto

REUTERS/Adnan Abidi
Bhaktapur, Nepal
Bhaktapur, Nepal: Banco Asiático de Desenvolvimento considera que 40% da economia do país foi afetada com o terremoto
Da AFP
Um dos países mais pobres da Ásia, o Nepal enfrentará após o terremoto uma custosa reconstrução que levará anos, em um momento em que sua economia começava a se recuperar após uma década de guerra civil.
No sábado, um terremoto de magnitude 7,8 arrasou grande parte da capital do país, Katmandu, e matou mais de 4.000 pessoas no pior desastre ocorrido no Nepal nos últimos 80 anos.
O Nepal, um país com forte instabilidade política causada pela guerra com os rebeldes maoístas, encerrada em 2006, terá que empreender agora uma reconstrução que sua frágil economia não poderá custear sozinha.
"O terremoto teve um impacto devastador na economia do Nepal, um país muito pobre e com capacidades de financiamento extremamente limitadas para a reconstrução com seus próprios recursos", afirmou Rajiv Biswas, economista-chefe para a região Ásia-Pacífico da consultoria IHS.
"O custo total de reconstrução no Nepal no longo prazo, se forem usados os parâmetros de construção apropriados para regiões vulneráveis a terremotos, pode superar os 5 bilhões de dólares, aproximadamente 20% do Produto Interno Bruto (PIB) do Nepal", completou.
"Precisa-se urgentemente de equipes internacionais de socorro e de resgate, assim como ajuda financeira e técnica internacional em grande escala para reconstruir a economia no longo prazo", enumerou o especialista.
O Nepal tem um PIB per capita de apenas 1.000 dólares por pessoa, segundo a consultoria IHS, com muitas famílias pobres que dependem da agricultura e, cada vez mais, do turismo para sobreviver.
A agricultura é o setor mais importante da economia e emprega mais de 70% da população, representando 33% do PIB, de acordo com o site da consultoria.
O terremoto de sábado, o mais forte no Nepal desde 1934, quando morreram 10.700 pessoas, destruiu infraestruturas, estradas e prédios, além de ter paralisado as comunicações.
Um funcionário do Banco Asiático de Desenvolvimento, Hun Kim, considerou que 40% da economia do país foi afetada.
"A agricultura representa mais de 30% do nosso PIB e com 36 distritos afetados não é provável que nossas projeções econômicas se cumpram. Tempos difíceis estão por vir", disse à AFP Bishamber Pyakurel, um economista de Katmandu.
"A demanda de produtos de primeira necessidade está aumentado, mas há uma oferta restrita", acrescentou, advertindo que o preço dos alimentos deve começar a subir.
Turismo de escalada e cultural
O PIB do Nepal cresceu 5,48% no ano passado, segundo o site do instituto de estatísticas o país. O percentual é considerado muito satisfatório comparado com o crescimento de apenas 0,16% de 2002, quando a insurreição maoísta estava no auge.
O turismo tem sido uma atividade crucial para o crescimento econômico. O Nepal atraiu quase 800.000 visitantes estrangeiros em 2013, muitos deles chegados para escalar o Everest, e outros para conhecer a rica história cultural de Katmandu.
Parte da capital ficou em ruínas e milhares de habitantes estão em tendas de campanha, com suas casas foram reduzidas a escombros após o terremoto.
O sismo também causou uma avalanche no Everest, que arrasou parte do acampamento base e matou 18 pessoas.
O turismo de escalada é uma fonte vital de receitas, que deve sofrer redução neste ano, quando mais seria necessária.
O chefe do departamento de turismo, Tulsi Gautam, avisou que pode suspender a temporada de escalada até o final do ano, mas ainda não foi tomada qualquer decisão oficial.
Tópicos: GuerrasMortesÁsiaNepalPIBIndicadores,PobrezaRecursos humanosGestão de pessoasGestão,TerremotosDesastres naturais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda