Pular para o conteúdo principal

Qual será o futuro do rádio?

Qual será o futuro do rádio?=videotran | Rádio Osaka

Imagine que você está no ônibus indo para o trabalho. Quando você passa por um prédio, o celular pergunta se você gostaria de ouvir uma reportagem em áudio sobre um evento que aconteceu por lá.
Então logo depois você recebe um SMS em seu celular, de uma outra emissora, pedindo para que você escreva de volta dizendo se você está preso no trânsito. Esta mesma estação usa esta informação para criar uma mapa do tráfego em tempo real, em seu site.
Em seguida, uma mensagem no Twitter pede para que você escolha três músicas que você gostaria de ouvir no próximo programa.
Este é o futuro do rádio.
Muitas emissoras de rádio estão sofrendo, já que os jovens perderam o hábito de ouvir rádio em FM e AM. Na verdade, muito poucos dos meus alunos na Universidade Fordham tem, ao menos, um rádio relógio.
Mas a imagem do rádio cansativo pode mudar, utilizando as mídias sociais e outras tecnologias de comunicação para envolver o seu público.
As estações de rádio já estão migrando rapidamente para as mídias sociais. Parte desse esforço inclui coisas óbvias como feeds do Twitter e Facebook. Mas isso tudo vai se expandir ainda mais, como nas diferentes e novas maneiras de enviar e receber informações.
A mídia social é claramente um sucesso para agregar alguns jovens ouvintes. Pessoas com menos de 30 anos podem não sintonizar o rádio regularmente, mas se alguém envia um link para algum acesso em áudio, quem sabe. E se ouvem e gostam do que ouvem, então eles poderiam entrar em sintonia com um programa de rádio, ou até assinar um podcast. A experiência mostra que um bom conteúdo vai atrair mais ouvintes, se eles simplesmente gostarem deste conteúdo.
A tecnologia também está transformando a  transmissão de rádio. Qualquer pessoa pode transmitir uma programação direto do computador de casa e entregá-la em praticamente qualquer dispositivo móvel.
Isso significa que o rádio terrestre, sem dúvida, vai deixar de existir um dia, mas duvido que esse vai ser o fim do rádio. As estações continuarão a existir, mas eles vão distribuir os seus programas digitalmente, e usar o dinheiro que gastam em radiodifusão em FM e AM para criar conteúdos em seu lugar.
Isso pode ser uma boa coisa no longo prazo, porque o dinheiro das emissoras servirá para contratar mais pessoal, com bom conhecimento de tecnologia da informação, ao invés de investir em equipamentos de transmissão grandes e caros.
A difusão na Internet já permite que as pessoas ouçam as rádios de muito, muito longe, aumentando a audiência e, com isso, aumentando potencialmente as receitas.
No final, porém, o futuro da comunicação em áudio gira em torno do “conteúdo”. Rádio não é somente fornecer grandes relatórios, mas é também entregar um editorial consistente e valioso, onde a participação dos ouvintes faz todo o sentido na multiplicidade de informações que chegam aos milhares diariamente.
Em resumo: não importa o sistema ou meio de entrega, o que realmente mantém o jornalismo é o forte conteúdo, e usando a tecnologia para melhorar o seu conteúdo, o rádio pode manter-se não só vivo, mas vibrante.
Fonte: Beth Knobel (Co-autora do Livro “Heat and Light: Advice for the Next Generation of Journalists) da CBS News

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda