Pular para o conteúdo principal

Vaidade segundo Plutarco

edizio ferreira limaVaidade segundo Plutarco

Prefiro os que me criticam, porque me corrigem, aos que me elogiam, porque me corrompem.Santo Agostinho

  Nada, diz Xenofonte, é mais agradável do que ouvir elogios dos outros; mas também nada é mais repugnante do que ouvir alguém incensar a si mesmo.
Primeiramente, nós vemos como impudicos aqueles que o fazem, visto que deveriam corar de vergonha se outros os lisonjeassem em sua presença.
Em segundo lugar, nós os achamos injustos porque dão a si mesmos o que deveriam receber de outrem. Enfim, quando se gabam, se nós ficamos em silêncio aparentamos ar de desgosto e de inveja, ou, para evitar essa censura, somos obrigados a confirmar os elogios que nosso coração desaprova, e lhes adular; procedimento que é mais uma detestável bajulação do que verdadeira estima.
É preciso confessar no entanto, que há ocasiões em que um homem possa arriscar a falar vantajosamente de si mesmo, não por motivo de ambição ou de vaidade, mas porque as circunstância exigem que ele fale de si com verdade, como teria feito qualquer outro; e é sobretudo quando sua conduta atual é honesta, que ele não deve temer dizer que se comportou da mesma forma outrora.
Um tal testemunho não pode senão produzir bons frutos, e aí nasce, como de uma semente fecunda muitos outros louvores ainda mais honoráveis.
O homem de estado não busca a glória como um salário, ou como compensação de sua virtude, mas como um meio que sua reputação de probidade lhe dá para fazer mais belas ações. Ele tem a felicidade e o consentimento para prestar serviço a seus amigos, e a todos os que têm nele confiança; mas ele vê sua virtude encadeada e seus benefícios inúteis para os que suspeitam de sua probidade e o caluniam.
Se um homem crê ter outras razões para dar testemunho de si mesmo, ele o deve pesar com cuidado, a fim de se poupar a vergonha de uma vaidade odiosa, e para que não falte um objetivo útil.
***
  Nada é mais frívolo e mais vão do que lisonjear a si mesmo a fim de o ser pelos outros. Isso é o efeito de uma ambição desmedida e de um tolo amor pela glória, que só podem atrair maior desprezo. Viu-se homens que, pressionados pela fome e não encontrando nenhum outro alimento, foram forçados a nutrir-se de sua própria carne, excesso último em que a fome pôde leva-los.
Do mesmo modo, se aqueles que são famintos de adulação não encontram ninguém que satisfaça seu desejo, elogiam-se a si mesmos abertamente; e, por um vergonhoso amor pela glória, nutrem sua vaidade com sua própria substância. No entanto, quando não lhes é suficiente simplesmente louvarem-se a si mesmos, e que, ciumentos dos elogios que se faz aos outros, eles opõem, para lhes obscurecer o brilho, a narrativa de suas próprias ações, então à vaidade eles ainda acrescentam a malícia e a inveja. Colocar o pé na dança do outro, é, diz o provérbio, uma curiosidade ridícula; mas se jogar, por assim dizer, através dos elogios que se faz a um outro, para aí encontrar seu próprio elogio, é uma vaidade da qual é preciso defender-se com cuidado.
Não soframos, mesmo nessas ocasiões em que outros nos elogiam, e deixemos essa honra aos que a merecem. Se as pessoas a quem se faz elogios deles são indignas, não tomemos o seu lugar; mas provemos altamente, e por razões sem réplica, que não merecem os louvores que se lhes dá. Este é um ponto sobre o qual não pode haver dúvida.[1]

Plutarco












topo da páginaimprimir

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda