Pular para o conteúdo principal

AÇUDE DO CEDRO, HISTÓRIA DO CEARÁ

Açude do Cedro em Quixadá - Ceará.

Artur Ricardo no Açude do Cedro - 05.05.2015

Histórico. 


A construção do Açude do Cedro teve início em 1890. Aordem partiu do imperador Dom Pedro II, em decorrência do grande impacto social provocado pela seca de 1877 - 1879. Entretanto, a obra só foi realizada pelos primeiros governos republicanos do Brasil, e concluída após 16 anos, em 1906. Foi a primeira represa pública construída em território brasileiro. Segundo historiadores, nunca foi inaugurada oficialmente. A barragem, propriedade do Departamento Nacional de Obras contra a Seca (Dnocs), tem capacidade para 125.694.000 m³. O superdimensionamento da barragem do Cedro em relação ao potencial da sua bacia hidrográfica faz com que suas sangrias sejam raras. Em toda sua história, sangrou apenas seis vezes. O reservatório dispõe de locais para banho, pescaria e para prática de esportes náuticos. Também possui uma extensa rede de canais para irrigação, a primeira construída no Ceará. Hoje, não abastece mais a cidade de Quixadá. A partir de praticamente toda a sua extensão é possível ver a Pedra da Galinha Choca, considerada cartão postal do município. O seu conjunto arquitetônico foi tombado em 1977 como patrimônio nacional. Matéria completa no site do Jornal Diário do Nordeste link abaixo: http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1195804 – Estas e outras no diário de notícia do servidor do DNOCS Célio Cavalcante, membro correspondente da ACEJI.

Dimensões do Açude.

AÇUDE DO CEDRO 05.05.2015

A barragem do Açude Cedro está localizada no município de Quixadá, estado do Ceará, distando cerca de 160 km de Fortaleza (Fig. 1).
       Barra o rio Sitiá, sistema do Jaguaribe. A sua bacia hidrográfica cobre uma área de 224 km2 (Fig. 2).
wpe92.jpg (11430 bytes)'

Fig. 2 Bacia hidrográfica

wpe93.jpg (64096 bytes)
Vista da barragem principal

       Como os trabalhos de projeto e de construção da barragem do Cedro tiveram seu início na década de 1880 – 1890, os detalhes correspondentes não são mais disponíveis nos arquivos. Assim sendo, a presente descrição focaliza mais os aspectos históricos, estando as características da barragem mostradas nas fotos apresentadas.
       Tem como finalidades a irrigação, o desenvolvimento das culturas de vazante, a piscicultura, o aproveitamento das áreas de montante e o abastecimento de água da cidade de Quixadá.
       Foi projetada e construída pela Comissão de Açudes e Irrigação. Seu atual proprietário é o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS), órgão federal que substituiu a Comissão de Açudes e Irrigação.
       Com o impacto das secas dos anos de 1877/79, o Governo Imperial, no ano de 1880, solicitou ao Engº. Jules Revy o estudo das melhores áreas e respectivos boqueirões para a construção de açudes.  A barragem  do Cedro  teve  seu   primeiro   projeto executado no ano de 1882 pelo mesmo Engº. Jules Revy. No ano de 1889, sob a direção do Engº.   Ulrico Mursa, da Comissão de Açudes e Irrigação, após cuidadosos estudos locais, foram realizadas modificações no projeto original, que obtiveram aprovação oficial do governo. Iniciaram-se, então, a 15 de novembro de 1890, os trabalhos de construção da barragem, os quais só foram concluídos no ano de 1906, já então sob a direção do Engº. Bernardo Piquet Carneiro.
       Durante o seu projeto e construção ocorreram fatos que valem ser ressaltados,  como  as secas  dos anos de 1888/89, 1891, 1898, 1900 e 1902, o que tornou o açude uma obra considerada de emergência. Outros fatos ocorreram após a sua construção que merecem ser citados, como:
em 1924 - sangrou pela primeira vez;
em 1925 - houve uma outra sangria;
em 1930/32 - durante este período o açude secou completamente;
em 1974/75 - aproximadamente 50 anos depois, houve novas sangrias.
       O Açude Cedro é composto por quatro barramentos. Dois deles foram construídos em alvenaria de pedra: a barragem principal, em arco, e a barragem vertedouro. Os dois outros maciços são de terra, homogêneos (Figs. 3, 4 e 5).

wpe95.jpg (31231 bytes)
Fig. 3 - Arranjo geral


wpe96.jpg (5475 bytes) 
Fig. 4 - Barragem principal - seção transversal típica 


                     wpe97.jpg (5713 bytes)
                                                     Fig. 5 - Vertedouro - seção transversal


       As ombreiras e a fundação da barragem do Cedro são constituídas por uma rocha magmática sienítica.
       Na ocasião do projeto da barragem, em virtude da falta de dados na região, não foi possível a realização de um estudo hidrológico adequado da bacia do Cedro, o que ocasionou um superdimensionamento do mesmo em relação à sua bacia hidrográfica.
       Vale salientar a importância desta obra para a região, pelo pioneirismo e dificuldades que tiveram de ser vencidas.
       A cuidadosa lavra da cantaria do sienito local,  observada  na  minudência  do projeto,  transformou,   na época, a  barragem principal numa obra de arte arquitetônica, ressaltada pelo seu desenvolvimento curvo e pelos pilaretes e correntes metálicas do seu coroamento.
       A barragem do Cedro integrou-se com o pequeno vale fértil onde se implantou e com a serrania que o contorna, dela sobressaindo a "Pedra da Galinha Choca".
       Esse conjunto paisagístico,   com  a presença do açude, logo se constituiu em centro turístico, sendo instituído como monumento artístico e histórico nacional.
       Os canais de irrigação foram inicialmente projetados para atender cerca de 1.000 ha. Efetivamente, porém, a área irrigada nunca excedeu a 500 ha, entre outros motivos, pelo desperdício de água nas regas.


REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AÇUDE Cedro. B. da IFOCS. Fortaleza, l (l): 14 - 6, jan. 1934.
                MACÊDO, Maria Vilalba Alves de. Características físicas e técnicas dos açudes públicos do Estado do Ceará.
                Fortaleza, DNOCS, 1977.132 p.



CARACTERÍSTICA TÉCNICAS
CAPACIDADE125.694.000M³ALTURA MÁXIMA17m
LOCALIZAÇÃOQuixadá-CeLARGURA DO COROAMENTO4m
SISTEMAJaguaribeCOMPRIMENTO PELO COROAMENTO243m
RIOSitíaVOLUME DA BARRAGEM40.724m³
BACIA HIDROGRÁFICA224Km²BARRAGEM DA LAGOA DO FORGES
BACIA HIDRÁULICA1.745haALTURA MÁXIMA2m
BARRAGEM PRINCIPAL
LARGURA DO COROAMENTO2m
RAIO DE CURVATURA254mCOMPRIMENTO DO COROAMENTO264m
ALTURA MÁXIMA20mVOLUME DA BARRAGEM8.473m³
LARGURA DO COROAMENTO4m
TOMADA D' ÁGUA
COMPRIMENTO PELO COROAMENTO415m
TIPO
Galeria
VOLUME DA BARRAGEM60.000m³EXTENSÃO15m
BARRAGEM VERTEDOUROSEÇÃO3,00 2,50m
ALTURA MÁXIMA5mCOTA100,00
LARGURA DO COROAMENTO3,50m
COMPRIMENTO PELO COROAMENTO209m
VOLUME DA BARRAGEM2.925m³





AÇUDE DO CEDRO - 05.05.2015

Artur Ricardo no Açude do Cedro - 05.05.2015



Artur Ricardo no Açude do Cedro - 05.05.2015


















Artur Ricardo no Açude do Cedro - 05.05.2015


Artur Ricardo no Açude do Cedro - 05.05.2015


Artur Ricardo no Açude do Cedro - 05.05.2015

Fábio Brito - parceiro nas pesquisas da Academia Virtual de História - Açude do Cedro - 05.05.2015.

Fábio Brito - parceiro nas pesquisas da Academia Virtual de História - Açude do Cedro - 05.05.2015.

Artur Ricardo no Açude do Cedro - 05.05.2015


Fonte: Site do DNOCS
Blog Forquilha Ontem Hoje e Sempre
Fotos dos arquivos pessoais de Artur Ricardo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda