Pular para o conteúdo principal

Francis Vale: “Dom Fragoso, um exemplo de dedicação ao povo”

Francis Vale: “Dom Fragoso, um exemplo de dedicação ao povo”

Nesta terça-feira (02/08), Fortaleza ganha mais uma opção de exibição cinematográfica: o Cineclube Avenida. Na reestreia do espaço, a exibição do inédito documentário “Dom Fragoso”, do cineasta cearense Francis Vale.


O interesse em retratar a história do religioso não é recente. “Minha ligação com as histórias deDom Fragoso é antiga. Minha família é toda daquela região cearense. Meus pais casaram em Crateús. Minhas lembranças de infância são todas de lá”, recorda Francis Vale.

Segundo o cineasta, em 1964, ano da chegada de Dom Fragoso a Crateús, Francis Vale já era acadêmico do curso de Direito em Fortaleza. “Nesta época já era filiado ao PCdoB e me aproximei dos sindicalistas tanto daqui quanto de Crateús. Lá vi o trabalho do religioso, ajudando a organizar sindicatos”.

Na década de 70, quando atuava no Jornal Mutirão – publicação alternativa cearense que se manteve por cinco anos, em plena Ditadura Militar – Francis Vale conheceu mais profundamente o sentido do cooperativismo e da importância das organizações populares. “Grandes nomes ajudaram a construir o jornal: Benedito Bizerril, Luiz Carlos Antero, Messias Pontes, Luis Carlos Paes, Edson Pereira e o próprio Chico Lopes participaram deste desafio. Nesta época descobri a história singular de Dom Fragoso dedicada ao povo e aos trabalhadores rurais”.

Para Francis Vale, a história de dedicação de Dom Fragoso às causas populares, é seu maior legado. “Não existiam sindicatos rurais. Foi o religioso quem ajudou a criá-los. Hoje existem organizações de trabalhadores rurais em todos os municípios cearenses, a grande maioria deles muito bem estruturada e produtiva”.

Além de ter uma vida dedicada aos camponeses, Dom Fragoso também foi ousado. “Ele fez um trabalho lento, organizado e forte. Enfrentou a Ditadura Militar para defender sua causa”, reforça Vale que relembra que o também cearense Dom Hélder Câmara, então arcebispo de Olinda e Recife, saiu em sua defesa. “Haviam anunciado a prisão de Dom Fragoso. De Recife, participando de um seminário com mais de 40 religiosos, Dom Hélder anunciou que se Fragoso fosse preso, teriam também que levar todos juntos. Acho que por isso houve o recuo e Dom Fragoso não foi preso”, pondera Francis Vale.

Segundo o cineasta cearense, o documentário tem grande valor histórico. “Nosso objetivo é retratar Dom Fragoso e seu exemplo. O filme é uma síntese de sua história. Só de conversa com ele tínhamos um material de mais de duas horas de gravação. O documentário começa e termina com depoimentos dele, além de intervenção de várias pessoas que com ele conviveram”, informa. Além dos depoimentos, o filme exibe ainda fotos, documentos, jornais e imagens do religioso que revolucionou o campo.

Sobre as exibições do filme, Francis Vale destaca sua característica. “Não creio que as grandes salas de cinema se interessem em veiculá-lo. Não haveria interesse pra isso. Este documentário deverá passar em cineclubes, comunidades, assentamentos, enfim, onde o povo está”.

De Dom Fragoso, ficou o exemplo. “Vi neste grande homem uma lição de vida. Um homem, filho de camponeses, que lavrou a terra e plantou. Que mostrou na prática as ideias de organização popular. Ele ensinou que para conquistar a terra, é preciso cuidar dela e não fugir dos desafios”.

Mais sobre Dom Fragoso

Antonio Batista Fragoso foi bispo da Diocese de Crateús durante 34 anos, de 1964 a 1998. Defensor dos princípios da Teologia da Libertação, notabilizou-se pelo trabalho pastoral junto aos pobres e trabalhadores rurais. No período da Ditadura Militar, combateu severamente as atrocidades cometidas pelos militares, solidarizando-se com as vítimas do Regime Militar e denunciando no exterior as torturas praticadas contra os presos políticos. Líder religioso respeitado no Brasil e exterior, dedicou quase toda a sua vida à missão pastoral.

O filme sobre Dom Fragoso aborda, em formato de documentário, a história do religioso que faleceu em agosto de 2006, aos 85 anos, após uma longa trajetória de dedicação aos mais necessitados, que lhe renderia epítetos como o de “profeta dos pobres”.

Lançamento de “Dom Fragoso”
O Cineclube Avenida retoma suas atividades nesta terça-feira, 2 de agosto, às 19h, com a exibição do documentário “Dom Fragoso”, inédito trabalho do cineasta cearense Francis Vale, em lançamento destinado à imprensa, a convidados e representantes do audiovisual local.

De Fortaleza,
Carolina Campos


Leia também:

Cineclube Avenida retoma programação exibindo “Dom Fragoso”
 
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda