Pular para o conteúdo principal

Nazaré Santos: Primeira mulher massagista de um time de futebol masculino no Brasil

Nazaré Santos: Primeira mulher massagista de um time de futebol masculino no Brasil

 Manoel Façanha  
O primeiro (talvez único) time de futebol masculino brasileiro (provavelmente mundial) a contratar uma mulher como massagista foi o Atlético Acreano. O fato aconteceu em 1974 e a profissional se chamava Maria de Nazaré Santos Macedo, uma amazonense de Boca do Acre que migrou para Rio Branco aos 12 anos, em 1951. O fato curioso virou até reportagem da revista Placar, de circulação nacional.
Nazaré Santos em ação, massageando um jogador do Galo
Nazaré Santos em ação, massageando um jogador do Galo. Foto: acervo pessoal de Nazaré Santos
Pode-se dizer que o estopim dessa história foi aceso dois anos antes, em 1972, quando Nazaré Santos precisou viajar para o Rio de Janeiro para se submeter a um tratamento de saúde. Nas horas vagas, na capital fluminense, ela aproveitou para fazer um curso de massagem, o que a habilitou em quatro especialidades: massagem esportiva, massagem terapêutica, massagem estética e massagem estética facial.
Atlético Acreano - 1977. Em pé, da esquerda para a direita: Nazaré Santos, Zé Augusto, Pitico, Augusto, Angu, Dadão, Valtinho (mascote), Tadeu, Tidal, Paulão, Nato e Rivaldo Patriota (diretor). Agachados: Pedrinho, Guedes, Vanginho, Paulinho Pontes, Manoelzinho, Valdir, Dico, João Pereira e Nelson. Foto: acervo pessoal de Nazaré Santos
Atlético Acreano – 1977. Em pé, da esquerda para a direita: Nazaré Santos, Zé Augusto, Pitico, Augusto, Angu, Dadão, Valtinho (mascote), Tadeu, Tidal, Paulão, Nato e Rivaldo Patriota (diretor). Agachados: Pedrinho, Guedes, Vanginho, Paulinho
Pontes, Manoelzinho, Valdir, Dico, João Pereira e Nelson. Foto: acervo pessoal de Nazaré Santos
“Antes de ir para o Rio de Janeiro eu já trabalhava no Acre como auxiliar de enfermagem. Então, eu já era profissional da área médica. Quando eu voltei, com as novas habilidades, e levando em conta que eu era torcedora do Atlético, uma vez que eu morava no 2º Distrito, tudo isso contribuiu para ser convidada pela Dona Flora Diógenes para assumir o departamento de massagem do Galo”, explicou Nazaré.
Pitico, Nazaré e Paulão, em 1977. Foto: acervo pessoal de Nazaré Santos
Pitico, Nazaré e Paulão, em 1977. Foto: acervo pessoal de Nazaré Santos
“Apesar de ser uma coisa inédita em termos de futebol masculino no Brasil, topei o desafio e fiquei vários anos nessa condição. Todos me tratavam muito bem e os jogadores me respeitavam até demais. Eles evitavam até dizer palavrões na minha frente. Além do mais, o dinheiro que o Atlético me pagava era muito bom, mais do que o dobro do que eu ganhava como funcionária pública”, garantiu Nazaré Santos.
Os técnicos, os dirigentes e as festas
Nazaré Santos gosta de falar do seu passado enquanto massagista de time de futebol. Basta que exista um interlocutor interessado no assunto. A memória privilegiada dela vai contando uma história atrás da outra. Fatos, personagens, curiosidades, tudo enfim que diz respeito ao glorioso Galo do 2º Distrito de Rio Branco vai fluindo das palavras dela a medida em que aconteça uma provocação.
Sobre os técnicos com quem ela trabalhou, por exemplo, ela cita dois cuja convivência a marcaram positivamente: Rivaldo Patriota e Ariosto Miguéis. “O Rivaldo era um treinador que gostava de cuidar dos mínimos detalhes. Já o Ariosto, foi um dos técnicos que mais entendia de tática e estratégia de jogo. Mas o que eu mais gostava é que eles sabiam envolver todo mundo no trabalho”, disse Nazaré.
No que diz respeito aos dirigentes, Nazaré contou que a família Diógenes, principalmente o casal Fernando e Flora, tinham uma dedicação comovente à causa do Atlético Acreano. No dizer da ex-massagista, “a Dona Flor era uma espécie de psicóloga dos jogadores. Ela cuidava deles, dava conselhos, ouvia as suas queixas, recebia todos na sua casa, organizava comemorações. Uma verdadeira mãe mesmo”.
A saudade, porém, parece bater forte no coração da ex-massagista quando se fala sobre a sede social do Atlético, relegada ao abandono nos dias que correm. “A nata da sociedade acreana se reunia nos bailes promovidos pelo Galo. Ali aconteceram festas de mobilizar toda a cidade. Mas também existiam comemorações na Chácara Capitão Ciríaco, quando o Atlético vencia um jogo”, contou Nazaré.
Jogadores, árbitros, historinha e aposentadoria
Aldeci D’Ávila, Nazaré Santos, Antônio Soares e Rivaldo Melo. Foto: acervo Nazaré Santos.
Aldeci D’Ávila, Nazaré Santos, Antônio Soares e Rivaldo Melo. Foto: acervo Nazaré Santos.
Entre os jogadores com quem conviveu no seu período como massagista do Atlético Acreano (entre 1974 e 1979), Nazaré Santos destaca seis: o volante Tadeu, que para ela era o mais “estiloso” de todos; os zagueiro Lécio, Mário Mota e Paulão, sendo o primeiro pelo seu estilo vigoroso e os dois últimos pela técnica refinada; o atacante Vanginho, pela velocidade; e o lateral Belo, pela sua eficiência em defender.
Dos árbitros, o nome que ela cita primeiro é o de Antônio Soares. “Nós somos amigos até hoje. Quando a gente se encontra em algum lugar, ele ainda me convida para visitá-lo na sua fazenda. Eu acabo não indo, mas só o fato de me convidar demonstra o carinho que ele tem por mim. Além do Soares me lembro que me eu me dava bem igualmente com o Aldeci Paz D’Ávila”, afirmou a ex-massagista Nazaré.
Nazaré Santos e o goleiro celeste Tidal. Foto: acervo Nazaré Santos.
Nazaré Santos e o goleiro celeste Tidal. Foto: acervo Nazaré Santos.
Ao ser perguntada por um fato marcante na sua carreira, Nazaré lembrou uma vez em que um time de artista da Rede Globo de Televisão veio ao Acre. De acordo com ela, os artistas pediram para ser massageados por ela, a única mulher a exercer essa profissão no Brasil. “O interessante”, disse Nazaré, “é que quando eu entrei em campo com eles, as mulheres na arquibancada pediam para trocar de lugar comigo”.
Hoje, aos 76 anos, aposentada, Nazaré mora com a filha Camila e duas netas. Mas a aposentadoria não a deixa inativa. Ela trabalha três dias por semana, numa casa para idosos, no bairro Cidade Nova. E ainda gosta de dedilhar um violão. Até ensaiou uma música para o repórter. “Pássaro de fogo”, da Paula Fernandes, cujos versos finais são uma promessa: “serei os seus pés nas asas do sonho rumo ao teu coração”.

Comentários

  1. Nazaré Santos, hoje estive com essa grande Mulher é uma figura ,além de tudo é uma amiga de verdade e eu estou muito feliz pela amizade com essa Mulher , que tenha muitos anos de vida e muita saúde só assim nossa amizade vai durar por muitos anos .

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda