Pular para o conteúdo principal

Bárbara de Alencar

O NORDESTE / Enciclopédia Nordeste / B�rbara de Alencar

 

Bárbara de AlencarDiminuir o tamanho da letraAumentar o tamanho da letra

  • Imprimir
    Imprimir
  • Enviar por e-mail
    Enviar por e-mail
Voltar
Prisão de Bárbara de Alencar
Bárbara de Alencar - 2 Fev 1760 - 28 Ago 1823)

A primeira mulher heroína do Brasil foi Dona Bárbara de Alencar, nascida a 2 de fevereiro de 1760, em Cabrobó-PE.

A heroína cratense da Revolução de 1817 era filha de Joaquim Pereira de Alencar e de Teodósia Rodrigues da Conceição.

Casou-se com o negociante português José Gonçalves dos Santos. A 17 de setembro de 1789 deu a luz a Tristão Gonçalves Pereira de Alencar, que na Confederação do Equador mudou seu nome para Tristão Gonçalves de Alencar Araripe.

A 16 de outubro de 1794, deu a luz a José Martiniano de Alencar, falecido em 15 de março de 1860, como senador, o qual a 29 de abril de 1817, chegou ao Crato-CE, encarregado pelo Governador Revolucionário de Pernambuco, de libertar o Ceará contra a dominação portuguesa. No dia 3 de maio, de batina e roquete, o Diácono José Martiniano de Alencar, subiu ao púlpito na Matriz do Crato e proclamou nossa Independência e República.

Em consequência, Dona Bárbara de Alencar fugiu do Crato para Paraíba, mas foi presa no Rio do Peixe, pelos seguidores do Governador Sampaio.

Qualificada entre os presos "INFAMES CABEÇAS", foi enviada para Icó-CE, depois para Fortaleza, onde, posteriormente, juntamente com outros presos, foi paraRecife-PE, de lá, finalmente foram recolhidos às prisões da Bahia, onde foram cruelmente tratados.

Dona Bárbara foi libertada em 17 de novembro de 1820, vindo a falecer em sua fazenda, Touro-PI, a 28 de agosto de 1823.

Fantástica odisséia encerra a vida dessa mulher extraordinária, que sendo mãe, soube ser heroína, sendo mulher, soube vencer os preconceitos da época.

Sua vida foi marcada pelo exemplo de fé e de patriotismo em todas as gerações. Sua descência projetou-lhe, pela ilustração dos filhos e netos, a grandiosidade.

BÁRBARA DE ALENCAR projetou seu vulto, sua vida e sua obra, para muito além dos estreitos limites do Crato e do Ceará. Foi figura do Nordeste de relevância nacional.

Fonte: 10rm
Uma grande mulher
Marcelo Alcoforado // Publicitário
marceloalcoforado@surfix.com.br
Há séculos Pernambuco é, como se ouve na primeira estrofe do seu hino, uma Nova Roma de bravos guerreiros. Há que se fazer, contudo, justiça às mulheres, já que nosso estado tem sido defendido também por bravas guerreiras. Ontem brandindo armas, hoje lutando não só na administração do lar, mas igualmente nas fábricas, no comércio, nos serviços, nas profissões liberais, nas artes, nas ciências, na polícia, na política e, enfim, em todos os campos, contribuindo para tornar esta terra mais auspiciosa.
Uma dessas mulheres especiais, considerável individualmente como a primeira heroína do Brasil, nasceu em 1760, em Exu, a terra de Luiz Gonzaga, cresceu, casou-se e teve três filhos, todos dedicados a libertar o Brasil do jugo português. Não se suponha, no entanto, que a vida de Bárbara Alencar foi cingida a criar os rebentos. Ela se tornou importante protagonista do movimento que pretendia proclamar a independência brasileira em 1817, cinco anos antes do Grito do Ipiranga. E por isso, pelo anseio libertário, foi presa. A primeira presa política do Brasil.
Naqueles tempos, os ventos das ideias que nortearam as revoluções francesa e norte-americana sopravam forte na planície das mentes esclarecidas, lembrando ser fundamental para Pernambuco recuperar a importância de antes, porém sob um regime moderno, e não a troco do sacrifício dos seus ideais de liberdade. Esses ideais, claro, só poderiam prosperar em um país independente.
Sabe você quem era o principal revolucionário da capitania? O seminarista José Martiniano de Alencar, filho de Bárbara Alencar, que aderira ao movimento, não só cedendo a sua casa para os conciliábulos, mas impregnando-se das ideias que norteavam a causa.
Rica, firme, decidida, dotada de notórios pendores políticos, Bárbara Alencar era, ademais, uma mulher transbordante de coragem, mais ainda em uma época de mulheres submissas e ignorantes, limitadas aos assuntos domésticos. Era um tempo em que atos de conspiração costumavam ser punidos com a morte.
O sonho da Revolução Republicana de 1817, todavia, durou somente 75 dias, em Pernambuco, e oito dias no Ceará, após o que se transformou em pesadelo. Mãe, filhos, tios, primos, foram presos, agrilhoados e levados ao Ceará, depois a Pernambuco e, em seguida, à Bahia, onde permaneceram confinados até 1820. Foram três longos anos em que, qualificada entre os presos rotulados de infames cabeças, nossa heroína foi encarcerada sob condições desumanas, em rigoroso isolamento, sem poder sequer ver os filhos.
Bárbara Alencar - avó do grande romancista José de Alencar e ancestral do governador Eduardo Campos - faleceu um ano após Dom Pedro haver declarado a Independência brasileira. Legou-nos o exemplo de uma mulher que se marcou a vida pelo enfrentamento dos preconceitos, pelo patriotismo, pela decência, pelo destemor, qualidades que a fazem depositária deste justo reconhecimento, aliás, especialmente apropriado em março, mês do início da Revolução de 1817 e do Dia Internacional da Mulher.
Pensando bem, não há como não dizer: essa mulher foi Bárbara...
Fonte: Diario de Pernambuco - 27/2/2010
Uma mulher presidente
 
César Maia
Em 2010, cumpriram-se os 250 anos do nascimento da primeira mulher presidente no Brasil, Bárbara de Alencar. Ela nasceu em Exu (PE), em 1760. Mudou-se para o Crato (CE) depois do casamento, em 1782, com José Gonçalves dos Santos, comerciante de tecidos naquela vila, com quem teve quatro filhos. Foi a primeira mulher a se envolver, para valer, em política no Brasil -durante a revolução pernambucana de 1817, com vistas à independência e à República. O Ceará e outras províncias limítrofes aderiram -- no Ceará, especialmente na região do Cariri.
Bárbara de Alencar liderou esse movimento no Crato, ampliando a revolução em Pernambuco. Ela declara a independência e proclama a República do Crato, assumindo a presidência. Com a derrota em Pernambuco, a rebeldia nas demais províncias foi sendo desmontada pelas forças do Conde dos Arcos, governador da Bahia, a mando de dom João 6º.
Bárbara foi presa em Fortaleza. Por quatro anos, foi mantida presa em Fortaleza, Recife e Salvador. Ganha a liberdade no ato de anistia geral de novembro de 1821. Teve quatro filhos, três homens. Em 1824, outra revolução em Pernambuco: a Confederação do Equador, liderada por Frei Caneca. No âmbito desse movimento, no Ceará, Crato, Icó e Quixeramobim aderiram.
Seus três filhos homens se envolveram. Em 26 de agosto de 1824, foi declarada a República do Ceará e designado presidente Tristão de Alencar, um dos filhos de Bárbara. A repressão das forças imperiais culminou com a morte de dois de seus filhos: Tristão e Carlos.
José Martiniano de Alencar sobreviveu e, mais tarde, terminou se credenciando como deputado às cortes constitucionais de Lisboa. Foi governador do Ceará e senador. Seu filho José de Alencar foi escritor, poeta e fundador do indianismo com seu "O Guarani".
A força da memória de Bárbara de Alencar ressurgiu em 1869, na escolha de senador em uma lista tríplice. Os conselheiros de dom Pedro 2º sugeriram o veto a José de Alencar, apesar de ele ter sido ministro da Justiça pouco tempo antes. O temor era que as ideias republicanas que começavam a ser reativadas pudessem coincidir com o DNA de José de Alencar.
Neste ano de 2010, em que o Brasil registra e comemora a assunção de uma mulher ao cargo de presidente da República, faltaram as comemorações em memória de Bárbara de Alencar, primeira mulher política brasileira, primeira presidente de República, do Crato, e mãe de outro presidente de República, do Ceará. E, quem sabe, ancestral de outro cearense Alencar presidente: Humberto. A conferir.
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

Os 7 lugares impenetráveis do mundo

Os 7 lugares impenetráveis do mundo NOV 23 2009
Segue a lista dos 7 lugares de impossível acesso espalhados pelo mundo. São invulneráveis à entrada de qualquer pessoa não autorizada e foram estrategicamente construídos para evitar que isto aconteça. Look: . 1. O abrigo de sementes do fim do mundo A caverna (ou abrigo) de sementes do juízo final situa-se numa ilha norueguesa no Oceano Ártico aberto em 2008, criando um banco de mais de 100 milhões de sementes representando todas as principais culturas alimentares na Terra.
Trata-se então de uma gigante Arca de Noé afim de preservar a nossa flora, por milhares de anos. Se nossas espécies se acabarem por guerras, doenças ou até mesmo pelo aquecimento global, poderão ser reabastecidas a partir destas sementes, que estão protegidas 400 pés montanha abaixo, com todo o tipo de proteção para conservar nossas sementes. O local é constantemente protegido por guardas armados, pode suportar terremotos de magnitude 7º e também resiste a um ataque nuc…