Pular para o conteúdo principal

O “mistério da Cinderela” completa 20 anos sem solução

O “mistério da Cinderela” completa 20 anos sem solução

Foi em 5 de novembro de 1994 que a dançarina Revele Balmain desapareceu deixando como único vestígio um sapato de plataforma

Revelle na última foto divulgada pela polícia (Foto: Divulgação)

Por 20 longos anos o paradeiro da bela dançarina loira Revelle Balmain continua um mistério. A jovem de 22 anos de idade desapareceu em 05 de novembro de 1994, quase sem deixar vestígios, exceto por saltos de plataforma de cortiça, o que deu ao caso o nome de “O mistério da Cinderela”. O par de sapatos foi encontrado dois dias depois em uma rua em Kingsford, subúrbio do sudeste de Sydney, junto com a bolsa de Revelle, que continha o diário e as chaves de casa. Foi a primeira indicação que a polícia teve que Revelle poderia estar em perigo, mas duas décadas depois seu assassino ainda não foi apanhado (nem sequer comprovaram que ela foi morta)e desde 2008 uma recompensa de US$ 250 mil foi oferecida em troca de informações que levem a achar o responsável pelo sumiço da dançarina.

Revelle se preparava pra enbarcar pra uma temporada de seis meses no Japão, mas dias antes saiu pra encontrar uma amiga. Só que, de acordo com informações divulgadas pela polícia, o então namorado dela não apareceu pro encontro. O ponto de alerta que começou a preocupar todos foi quando a dançarina não apareceu pra se despedir da mãe numa viagem que seria feita de trem até o interior de Sydney. Em seguida descobriram que Revelle estava trabalhando pra duas agências de prostituição, a fim de sustentar e começar sua carreira no showbiz – inspirada em sua mãe, que também era bailarina.

Em entrevista recente ao jornal Herald Sun, a irmã de Revelle, Suellen, disse que “nunca perdeu as esperanças que a bela e amada moça desse uma ligação, entrasse pela porta da sala com uma explicação pra tudo ou ao menos enviasse uma carta dizendo estar viva”. Enquanto isso, em exatos 20 anos de investigação, o “mistério da Cinderela” continua sem resposta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda