Pular para o conteúdo principal

Atenção servidores no Acre vai ser assim !

Made in Acre

 Do Conselho Editorial do ac24horas  14/11/2016  13:27:43
Conforme previsto aqui neste espaço, semanas atrás – por ocasião do anúncio feito pelo governador Sebastião Viana de que 545 ocupantes de cargos em comissão no governo seriam exonerados –, os serviços públicos não foram afetados pela ausência do batalhão de protegidos recém-desalojados de seus postos. Prova irretorquível de que, ao longo de quase 70 meses, as despesas estatais foram anabolizadas pela generosidade companheira.
Como não há transparência nos gastos do Executivo acriano, torna-se impossível calcular os valores malbaratados com a inutilidade da trupe. Mas é fácil concluir que sem ela os serviços públicos teriam ganhado maior eficiência com o aporte de recursos – ou que o governo teria economizado alguns caraminguás a serem usados nestes tempos de vacas magras.
Fala-se aqui deste assunto a propósito do anúncio do próprio Sebastião Viana de que os salários dos servidores estaduais estão ameaçados até o final do ano, incluindo o 13º.
Nos últimos meses, os veículos de comunicação ligados ao petismo tripudiaram o quanto puderam sobre a falimentar situação de estados mais abastados, como o Rio de Janeiro, que têm sido obrigados a parcelar os vencimentos do funcionalismo. E tudo porque – ora, vejam! – a exibição das dificuldades dos mais ricos haveria de realçar a sobriedade do mais pobre.
Mas o embuste durou pouco, já que o ditado ensina – calcado na verdade – que a mentira tem pernas curtas. Enquanto o governo do Acre se ufanava do seu equilíbrio fiscal, seguia contando com os repasses federais para honrar compromissos. Uma vez tendo falhado estes na proporção a que estavam acostumados os companheiros, a ameaça do calote teve de ser admitida.
O que mais surpreende aos previdentes é que o site da Agência de Notícias do Acre continue a alardear as maravilhas da “revolução econômica” alcançada pela atual gestão. Matérias de um ufanismo incompatível com a nossa indigência econômica brotam no noticiário oficial como maçãs no deserto.
“Acre resiste à crise e avança na economia”; “Potencialidade ambiental e econômica do Acre é tema na TVE da Bahia”; “Complexo de Piscicultura conquista novos mercados”; e “Fundo de População da ONU conhece empreendimentos no Acre” – são exemplos de como a fantasia tenta subjugar a realidade.
Não é preciso ter formação econômica, nem tampouco inteligência aguçada, para perceber a incongruência entre o alarde de um governo que se gaba de ter feito tanto na área econômica e a situação de precariedade de um Estado que quase nada produz.
Os governos do PT, que para todos têm sido exemplo neste mundo, é obrigado a reconhecer que deixará, pela primeira vez em duas décadas, de pagar os salários em dia – um “trunfo” pisado e repisado durante as campanhas eleitorais.
Considerando a maneira como opera a máquina de propaganda petista, duas conclusões podem ser tiradas de tal admissão: a) o governo de fato quebrou, e não há mais como esconder isso do eleitor acriano; e b) eles estão apenas agravando o quadro para mais tarde posarem – pela enésima vez – de salvadores da pátria.
Em todo caso, aos companheiros resta apenas o lamento de não poderem mais colocar a culpa nos adversários.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda