Pular para o conteúdo principal

Famílias pedem autorização religiosa para matar filhas e evitar estupro na Síria

Famílias pedem autorização religiosa para matar filhas e evitar estupro na Síria

Carta devastadora expõe crueldade com mulheres sírias: mortes de crianças e estupros

Com informações do Jornal O Globo e Bolsa de Mulher | 15/12/2016 - 15:00
 
 
Famílias pedem autorização religiosa para matar filhas e evitar estupro na Síria
A divulgação de uma carta escrita por uma enfermeira síria, dizendo que ia se matar, chamou a atenção para uma questão complexa e triste. A invasão das forças do regime de Bashar al-Assad na cidade de Aleppo, na Síria, tem tirado a vida de muitos inocentes e condenado mulheres.
De acordo com informações do jornal britânico Metro, uma enfermeira que não foi identificada divulgou a carta explicando que preferiu acabar com a própria vida do que cair nas mãos de “animais do exército sírio”, se referindo a possibilidade de ser dominada e estuprada pelos soldados.
Na carta, há um desabafo triste e comovente. Confira na íntegra:
“Sou uma das mulheres em Aleppo que em breve serão violadas. Não há mais armas ou homens que possam ficar entre nós e os animais que estão prestes a vir, o chamado Exército do país. Eu não quero nada de você. Nem mesmo suas orações. Ainda sou capaz de falar e acho que as minhas orações são mais verdadeiras do que as suas. Tudo o que peço é que não assuma o lugar de Deus e me julgue quando eu me matar. Eu vou me matar e não me importo se você me condenar ao inferno! Estou cometendo suicídio porque não quero que meu corpo seja alguma fonte de prazer para aqueles que sequer ousavam mencionar o nome de Aleppo dias atrás. E quando você ler isso saiba que eu morri pura apesar de toda essa gente. Estou me suicidando porque o Dia da Ressurreição aconteceu em Aleppo e eu não acho que o inferno seja pior do que isso. Eu vou me matar e sei que todos vocês se unirão ao entrar no inferno e isso será a única coisa em que vocês se unirão: o suicídio de uma mulher. Não sua mãe ou irmã ou esposa... mas uma mulher com a qual você não se preocupa”.

Em Aleppo, milhares de sobreviventes estão presos na cidade devastada pela guerra. Na região, falta comida, água e remédios. Enquanto isso, as forças armadas sírias seguem adentrando o território da cidade e fazendo vítimas.
No último ataque, mais de 80 pessoas foram mortas, entre elas estavam mulheres e crianças.

De acordo com o site do jornal O Globo, publicações na internet ainda mostram que homens estão pedindo autorização a líderes religiosos para matar suas filhas, esposas e irmãs antes que elas sejam capturadas pelo exército, estupradas e mortas dentro de casa, na frente deles.
Segundo o jornal britânico, a Cruz Vermelha, movimento internacional humanitário, está fazendo constantes alertas sobre a necessidade de salvar vidas dessas mulheres e do restante da população que ainda vive na área rebelde da cidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

Os 7 lugares impenetráveis do mundo

Os 7 lugares impenetráveis do mundo NOV 23 2009
Segue a lista dos 7 lugares de impossível acesso espalhados pelo mundo. São invulneráveis à entrada de qualquer pessoa não autorizada e foram estrategicamente construídos para evitar que isto aconteça. Look: . 1. O abrigo de sementes do fim do mundo A caverna (ou abrigo) de sementes do juízo final situa-se numa ilha norueguesa no Oceano Ártico aberto em 2008, criando um banco de mais de 100 milhões de sementes representando todas as principais culturas alimentares na Terra.
Trata-se então de uma gigante Arca de Noé afim de preservar a nossa flora, por milhares de anos. Se nossas espécies se acabarem por guerras, doenças ou até mesmo pelo aquecimento global, poderão ser reabastecidas a partir destas sementes, que estão protegidas 400 pés montanha abaixo, com todo o tipo de proteção para conservar nossas sementes. O local é constantemente protegido por guardas armados, pode suportar terremotos de magnitude 7º e também resiste a um ataque nuc…