Pular para o conteúdo principal

Os riscos do Brasil com o Executivo, Legislativo e Judiciário em conflito


Os riscos do Brasil com o Executivo, Legislativo e Judiciário em conflito

 Nelson Liano Jr.  02/12/2016  13:43:26
Talvez o Brasil atravesse a sua maior crise dos últimos 50 anos. O pior é que, mesmo não querendo ser pessimista, parece não haver uma luz no fim do túnel. E um dos principais motivos dessa situação desesperadora que a Nação se encontra é o estado de conflito permanente entre os seus poderes constituídos. Numa análise rápida dos mais recentes e impactantes acontecimentos, o Legislativo através do Congresso Nacional derrubou o Executivo, representado pela presidente da República, Dilma Rousseff (PT). Em seguida, o bombardeio do Judiciário contra o Legislativo e o próprio Executivo se intensificou com a descoberta e exposição pública de casos de corrupção. Senadores, deputados, ex-presidentes, governadores e prefeitos à mercê de investigações. Acabou a estabilidade institucional do país. Ninguém sabe o que pode acontecer se houver um agravamento dessa situação. Nessa semana a votação das medidas anticorrupção colocou o Judiciário e o Congresso Nacional em pé de guerra. Num jogo que parece retaliatório o STF aceitou as denúncias antigas contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), ainda referentes ao caso Mônica Veloso. Por que esperaram tantos anos (10) para coloca-lo como réu? Justamente na semana que o Judiciário se “estressou” com a decisão da Câmara dos deputados, que terá que ser referendado pelo Senado? Tudo muito estranho revelando que as nuvens negras que pairam sobre a República Brasileira estão longe de se dissiparem.
Ninguém é inocenteObviamente que não acredito que Renan seja uma “flor de candura”. Deve ter muitas dívidas com a Justiça. Mas o estranho é ser considerado réu num momento de insatisfação do Judiciário com o Legislativo. Por que não levaram os processos contra Renan adiante antes?
Esqueçam…O senador Jorge Viana (PT), vice, não será presidente do Senado nesse biênio. O fato de Renan ser considerado réu não o afastará da presidência. A nova mesa diretora do Senado será escolhida no próximo mês de fevereiro. Até lá o STF não terá tempo de emitir nenhuma sentença.
A caminho da ditaduraToda essa instabilidade pode acarretar um ruptura radical das instituições democráticas. Parece que os brasileiros, descrentes com os políticos, desejam uma ditadura no país. No momento, poderia ser um regime ditado pelo Judiciário. Juízes e promotores se tornaram super-heróis surfando nas ondas da corrupção instalada no Brasil. Nenhuma ditadura é boa para as pessoas, nem militar, nem do Judiciário, nem de esquerda e nem de direita. A liberdade ainda é um dos bens mais sagrados para qualquer nação.
Só de olhoSe tivesse algum setor organizado dentro das Forças Armadas brasileiras não seria difícil tomarem o poder. Mas parece que os militares não estão querendo pegar esse “abacaxi” que se tornou o Brasil. No entanto, é preciso estar atento com algum aventureiro que queira se aproveitar dessa instabilidade.
Reação em cadeiaA queda da presidente Dilma abriu um precedente perigoso. Agora, a sensação que eu tenho é que a população deseja a destituição do Congresso Nacional. Pelo menos é isso que a gente percebe pelo radicalismo de opiniões nas redes sociais.
Equilíbrio em riscoNada que o presidente Michel Temer (PMDB) faça conseguirá agradar. Está na mira dos seus detratores. Se tornou um alvo fácil de ser abatido. Falta-lhe a legitimidade das urnas e Temer não consegue agradar gregos e troianos.
Salto no vazioSe conseguirem destituir o Congresso Nacional e desmontar todo o atual sistema político brasileiro o quê virá? Parece não haver um plano B. Se a crise política se aprofundar e as instituições democráticas forem desmontadas será o momento dos oportunistas agirem.
Eleições geraisAfinal, parece mesmo que só uma eleição geral para todos os cargos no Brasil poderia acalmar as coisas. Para presidente da República não adiantaria mais. Mesmo porque pela atual Constituição virando o ano, se Temer cair, será uma eleição indireta feita pelo Congresso Nacional desacreditado pela população brasileira.
Momento de uniãoÉ preciso juízo. Acho que o melhor caminho no momento para o país é manter o Congresso e a presidência da República do jeito que está por mais dois anos. 2018 está logo aí. Mas seria preciso se abrir um diálogo coerente entre os três poderes para dar sustentação ao atual sistema e evitar uma ruptura radical que poderá gerar consequências ainda piores em relação aquilo que estamos vivendo.
Ninguém sabe para onde vaiNão haverá contentamento na Nação nos próximos meses. O país está dividido desde a eleição de 2014. A crise política agravou o quadro econômico e gerou um dos maiores índices de desemprego da nossa história. Ninguém está satisfeito. Tem um velho ditado popular que diz que quando falta comida numa casa todo mundo briga e ninguém tem razão. No caso do Brasil falta credibilidade para a classe política e a queda econômica afeta psicologicamente as pessoas. Soma-se a isso a possibilidade de cada brasileiro poder emitir a sua opinião (o que é bom) nas redes sociais. Mas isso acaba se tornando uma torre de babel. Muito ruído com as pessoas falando sem estarem adequadamente informadas. Lembra um pouco aquelas histórias da Revolução Espanhola em que tinha um cidadão entrincheirado com um fuzil na mão. Perguntaram por quem ele estava lutando. “Eu luto por conta própria”, respondeu o sujeito. Nas recentes manifestações em Brasília pelo menos quatro diferentes grupos com objetivos diversos protestavam. É preciso muita calma nessa hora e bom senso. Como se costuma dizer o momento mais escuro da noite é o que antecede o amanhecer…





Comentários

  1. A Atenas do séc. IV a.C. tentou uma forma de democracia direta, em que os julgamentos eram realizados por 500 “juízes” sorteados entre os seis mil cidadãos com plenos direitos políticos, que decidiam por maioria simples os casos do dia-a-dia. O resultado era uma cidade em que todos acusavam todos pelos motivos mais banais, com julgamentos realizados de maneira açodada e emocional, com vereditos diretamente influenciados mais pela eloquencia do orador do que pelo mérito da questão. A experiência ateniense e seus resultados desastrosos já deveriam ser suficientes para enterrar de vez a idéia jacobina de governar por plebiscitos. Mesmo o atual regime suíço, que muitos consideram um tipo de democracia direta, é uma experiência totalmente distinta e com diversas salvaguardas para que leis não sejam aprovadas no calor das emoções.então amigos certo é que ditadura já mais,agora os fora da lei vão ter que mudar para outro ramo de vida e população ira eleger novos mandatários, assim passaremos o Brasil a limpo .

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda