Pular para o conteúdo principal

História do rádio= A voz do Oeste de Cuiabá

Documentário conta a História do rádio em MT O rádio como vitrine de Cuiabá na década de 30, 40 e 50, os discursos políticos, a radionovela, os enunciados da igreja, a moda, a emoção coletiva e os “heróis nacionais”. Esses são os principais assuntos que radialistas, produtores e historiadores relatam em video-documentário de 17 minutos, e que foi produzido e dirigido pelo jornalista Pedro Ribeiro. Assessoria Júlio Rocha Pedro Ribeiro lançou documentário sobre a História do Rádio O rádio como vitrine de Cuiabá na década de 30, 40 e 50, os discursos políticos, a radionovela, os enunciados da igreja, a moda, a emoção coletiva e os “heróis nacionais”. Esses são os principais assuntos que radialistas, produtores e historiadores relatam em video-documentário de 17 minutos, e que foi produzido e dirigido pelo jornalista Pedro Ribeiro. Trata-se de uma preciosidade, pois há, dentre relatos gravados num período de 14 anos, personalidades que presenciaram a chegada do rádio em Mato Grosso, em 1934. Em um nome até sugestivo - A Vez e a Voz do Oeste - o jornalista tenta mostrar que Cuiabá mesmo sendo isolada do resto do País, passa a ter uma voz que dá alento e passa a ter ligação quase diária com as principais metrópoles. Segundo ele, a rádio a Voz do Oeste, a primeira do Estado, quando começou em Mato Grosso, encontrou uma sociedade decadente, isoDocumentário conta a História do rádio em MT O rádio como vitrine de Cuiabá na década de 30, 40 e 50, os discursos políticos, a radionovela, os enunciados da igreja, a moda, a emoção coletiva e os “heróis nacionais”. Esses são os principais assuntos que radialistas, produtores e historiadores relatam em video-documentário de 17 minutos, e que foi produzido e dirigido pelo jornalista Pedro Ribeiro. Assessoria Júlio Rocha Pedro Ribeiro lançou documentário sobre a História do Rádio O rádio como vitrine de Cuiabá na década de 30, 40 e 50, os discursos políticos, a radionovela, os enunciados da igreja, a moda, a emoção coletiva e os “heróis nacionais”. Esses são os principais assuntos que radialistas, produtores e historiadores relatam em video-documentário de 17 minutos, e que foi produzido e dirigido pelo jornalista Pedro Ribeiro. Trata-se de uma preciosidade, pois há, dentre relatos gravados num período de 14 anos, personalidades que presenciaram a chegada do rádio em Mato Grosso, em 1934. Em um nome até sugestivo - A Vez e a Voz do Oeste - o jornalista tenta mostrar que Cuiabá mesmo sendo isolada do resto do País, passa a ter uma voz que dá alento e passa a ter ligação quase diária com as principais metrópoles. Segundo ele, a rádio a Voz do Oeste, a primeira do Estado, quando começou em Mato Grosso, encontrou uma sociedade decadente, isolada e uma sociedade sem espaço para crescer. Cuiabá - afirma – no final do século passado estaca em crise com o ciclo da cana de açúcar na década de 30 e 40 e era uma sociedade isolada. Então o rádio serviu como um canal de comunicação interna para as pessoas desabafarem. Ou seja, passou a ser uma voz que falava por todos. “Essa voz maior que dava supercobertura na cidade, dando voz para as pessoas falarem, nem que seja para si mesma. Isso deu um caráter de nacionalidade e de identidade local”, disse o jornalista. No documentário o diretor relata que em Mato Grosso os primeiros sons radiofônicos surgiram em 25 de Dezembro de 1934, ano em que o radioamador Deodato Gomes Monteiro inaugura a rádio sociedade de Cuiabá e o primeiro rádio clube mato-grossense. Dois anos mais tarde, Jercy Jacob monta um transmissor em ondas curtas a PRH-3, que foi registrado e mais tarde passou a operar com o nome de A Voz do Oeste, a primeira rádio do Estado e do Centro-Oeste. Deodato, recém chegado do Estado do Rio de Janeiro, na época e com muitas idéias novas, traz para Cuiabá essa nova novidade: o rádio, som irradiado através de uma pequena caixa e monta a PY9-AF. Aliás, até a sociedade carioca estava perplexa com a nova descoberta. Oficialmente no Brasil o rádio foi inaugurado em 1922, por ocasião do Centenário da Independência. A rádio A Voz do Oeste foi à única emissora radiofônica em Mato Grosso por mais de 20 anos. Sua programação sofria influência das rádios do Rio de Janeiro. Na sua chamada época de ouro, na década de 50, a rádio tinha orquestra, teatro, jornalismo, esporte, novelas como o Direito de Nascer, programas de auditório, crônicas, programas infantis e programas ao vivo e tinha também a participação de artistas nacionais como Cauby Peixoto, Ângela Maria, Carlos Galhardo e Linda Batista. Na opinião do jornalista Pedro Ribeiro, a rádio A Voz do Oeste foi literalmente à voz de Mato Grosso. Foi a maneira dos mato-grossenses alçar voz e ser ouvido, ainda eu por si mesmo. A Voz do Oeste foi inserido na concepção do Governo Getúlio Vargas e se identificou com o nacionalismo e com o regionalismo.São 71 anos no convívio da família mato-grossense. E o que mudou de lá para cá, da década de 30, quando Cuiabá se resumia a 70 mil habitantes, na região que hoje é o centro, a 530 mil habitantes atualmente? Antes de se questionar as mudanças boas ou ruins do rádio e sua participação na evolução da cidade, há de se conhecer primeiro a sua trajetória que marcou décadas e épocas diferentes. Entre os depoentes está o historiador Luis Phelippe Pereira Leite, considerado um dos ícones da história regional. O documentário também relembra: Fauser Santos, Amaury Destro, Pereira Neto, Cumpadre Crispim, Eduardo Saraiva, Mário Leite (coquinho), Aldo Nery, Elbson Rodrigues de Moraes (negro gato), Edson Luís, Américo Lucas, Mauricio de Oliveira, Eston Ramos, Paulo Araújo, Almeida Guimarães, Joilson da Costa e Silva, Ivo de Almeida, Ituil de Moraes, Augusto Mário Vieira, Robson Brunnini e Alves de Oliveira. E ainda, Onofre Ribeiro, Paulo Zaviaski, Carlos Roberto (mortandela), Adelino Praeiro e Gilda Rabello Leite. A RVO durou mais de 30 anos, e percorreu diversas sedes. Começou primeiramente na Pedro Celestino, conhecida como a “rua de baixo”, no calçadão do centro de Cuiabá. Depois para as ruas: Comandante Costa, Barão de Melgaço, 13 de Junho e Cine Teatro, na avenida Getúlio Vargas. fonte:www.cultura.mt.gov.br acesso em 19/10/2009 Poderá também gostar de:

Today Deal $50 Off : https://goo.gl/efW8Eflada e uma sociedade sem espaço para crescer. Cuiabá - afirma – no final do século passado estaca em crise com o ciclo da cana de açúcar na década de 30 e 40 e era uma sociedade isolada. Então o rádio serviu como um canal de comunicação interna para as pessoas desabafarem. Ou seja, passou a ser uma voz que falava por todos. “Essa voz maior que dava supercobertura na cidade, dando voz para as pessoas falarem, nem que seja para si mesma. Isso deu um caráter de nacionalidade e de identidade local”, disse o jornalista. No documentário o diretor relata que em Mato Grosso os primeiros sons radiofônicos surgiram em 25 de Dezembro de 1934, ano em que o radioamador Deodato Gomes Monteiro inaugura a rádio sociedade de Cuiabá e o primeiro rádio clube mato-grossense. Dois anos mais tarde, Jercy Jacob monta um transmissor em ondas curtas a PRH-3, que foi registrado e mais tarde passou a operar com o nome de A Voz do Oeste, a primeira rádio do Estado e do Centro-Oeste. Deodato, recém chegado do Estado do Rio de Janeiro, na época e com muitas idéias novas, traz para Cuiabá essa nova novidade: o rádio, som irradiado através de uma pequena caixa e monta a PY9-AF. Aliás, até a sociedade carioca estava perplexa com a nova descoberta. Oficialmente no Brasil o rádio foi inaugurado em 1922, por ocasião do Centenário da Independência. A rádio A Voz do Oeste foi à única emissora radiofônica em Mato Grosso por mais de 20 anos. Sua programação sofria influência das rádios do Rio de Janeiro. Na sua chamada época de ouro, na década de 50, a rádio tinha orquestra, teatro, jornalismo, esporte, novelas como o Direito de Nascer, programas de auditório, crônicas, programas infantis e programas ao vivo e tinha também a participação de artistas nacionais como Cauby Peixoto, Ângela Maria, Carlos Galhardo e Linda Batista. Na opinião do jornalista Pedro Ribeiro, a rádio A Voz do Oeste foi literalmente à voz de Mato Grosso. Foi a maneira dos mato-grossenses alçar voz e ser ouvido, ainda eu por si mesmo. A Voz do Oeste foi inserido na concepção do Governo Getúlio Vargas e se identificou com o nacionalismo e com o regionalismo.São 71 anos no convívio da família mato-grossense. E o que mudou de lá para cá, da década de 30, quando Cuiabá se resumia a 70 mil habitantes, na região que hoje é o centro, a 530 mil habitantes atualmente? Antes de se questionar as mudanças boas ou ruins do rádio e sua participação na evolução da cidade, há de se conhecer primeiro a sua trajetória que marcou décadas e épocas diferentes. Entre os depoentes está o historiador Luis Phelippe Pereira Leite, considerado um dos ícones da história regional. O documentário também relembra: Fauser Santos, Amaury Destro, Pereira Neto, Cumpadre Crispim, Eduardo Saraiva, Mário Leite (coquinho), Aldo Nery, Elbson Rodrigues de Moraes (negro gato), Edson Luís, Américo Lucas, Mauricio de Oliveira, Eston Ramos, Paulo Araújo, Almeida Guimarães, Joilson da Costa e Silva, Ivo de Almeida, Ituil de Moraes, Augusto Mário Vieira, Robson Brunnini e Alves de Oliveira. E ainda, Onofre Ribeiro, Paulo Zaviaski, Carlos Roberto (mortandela), Adelino Praeiro e Gilda Rabello Leite. A RVO durou mais de 30 anos, e percorreu diversas sedes. Começou primeiramente na Pedro Celestino, conhecida como a “rua de baixo”, no calçadão do centro de Cuiabá. Depois para as ruas: Comandante Costa, Barão de Melgaço, 13 de Junho e Cine Teatro, na avenida Getúlio Vargas. fonte:www.cultura.mt.gov.br acesso em 19/10/2009 Poderá também gostar de:

Today Deal $50 Off : https://goo.gl/efW8Ef

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda