Pular para o conteúdo principal

A indústria de bilis de urso

Pelo fim da indústria de bílis de urso

Trabalhamos no continente asiático para dar fim a crueldades praticadas contra ursos e à desnecessária indústria de bílis de urso. Não vamos parar enquanto não atingirmos o nosso objetivo

A indústria de bílis de urso

Centenas de ursos são capturados na Ásia apenas por causa de sua bílis, que é extraída por meio de procedimentos cruéis e dolorosos para ser vendida como medicamento popular. Estes ursos são confinados em lugares fétidos – geralmente gaiolas um pouco maiores do que uma cabine telefônica. No entanto, trata-se de uma atividade completamente desnecessária, já que várias alternativas sintéticas ou à base de ervas para este produto já estão disponíveis no mercado.

A indústria de bílis de urso causa enorme e injustificável sofrimento a ursos em todo o continente asiático. Mas você pode nos ajudar a dar um basta nisto

Crueldade desnecessária

A bílis de urso é extraída de maneira absurdamente cruel e desumana, em geral por indivíduos sem qualquer formação veterinária e nem mesmo com qualquer tipo de preocupação quanto à proteção destes animais. Alguns ursos são submetidos a tais sofrimentos ao longo de toda a vida, o que pode significar até 20 anos de tortura, a menos que eles sucumbam a infecções e tumores diversos, ou sejam vitimados por automutilações. Acometidos por grande ansiedade, estes ursos gemem e se debatem muito em cativeiro. A maioria acaba quebrando os próprios dentes ao batê-los contra as barras de suas gaiolas. 

Juntos, podemos promover mudanças para evitar a terrível dor e angústia sofridas por estes animais

Bílis de urso: o nosso trabalho

Nosso compromisso é dar fim à exploração de ursos neste tipo de indústria, resguardando-os de uma vida de enormes sofrimentos em cativeiro. O nosso trabalho inclui::
  • Fechar parcerias com governos, organismos internacionais, indivíduos e empresas locais para dar um basta a esta indústria;
  • Aprimorar as condições dos ursos mantidos em cativeiro em paralelo aos nossos esforços pelo fim desta atividade cruel;
  • Aprovar leis e políticas e acompanhar o seu cumprimento, garantindo assim que estes ursos retidos em cativeiro possam, ao menos, dispor de espaço adequado para se mover em ambientes mais salubres até que estejam totalmente protegidos contra qualquer forma de exploração e extração de sua bílis;
  • Conscientizar as pessoas quanto a possíveis alternativas para a bílis de urso, incluindo produtos sintéticos ou feitos à base de ervas, já disponíveis no mercado a preços acessíveis e com resultados eficientes;
  • Trabalhar com entidades locais com o propósito de pressionar seus governos a cumprir o compromisso que firmaram internacionalmente em prol da proteção dos ursos e de outros animais selvagens.
bear, bear bile, urso bílis de urso
Urso confinado para extração de bílis, Corea do Sul

Compartilhe

 

Com o seu apoio, podemos evitar que os ursos sejam submetidos a uma vida repleta de torturas e sofrimentos

Saiba mais: veja nosso trabalho pelo fim das rinhas de ursos

bears, bear bile, urso, bílis de urso

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

Os 7 lugares impenetráveis do mundo

Os 7 lugares impenetráveis do mundo NOV 23 2009
Segue a lista dos 7 lugares de impossível acesso espalhados pelo mundo. São invulneráveis à entrada de qualquer pessoa não autorizada e foram estrategicamente construídos para evitar que isto aconteça. Look: . 1. O abrigo de sementes do fim do mundo A caverna (ou abrigo) de sementes do juízo final situa-se numa ilha norueguesa no Oceano Ártico aberto em 2008, criando um banco de mais de 100 milhões de sementes representando todas as principais culturas alimentares na Terra.
Trata-se então de uma gigante Arca de Noé afim de preservar a nossa flora, por milhares de anos. Se nossas espécies se acabarem por guerras, doenças ou até mesmo pelo aquecimento global, poderão ser reabastecidas a partir destas sementes, que estão protegidas 400 pés montanha abaixo, com todo o tipo de proteção para conservar nossas sementes. O local é constantemente protegido por guardas armados, pode suportar terremotos de magnitude 7º e também resiste a um ataque nuc…