Pular para o conteúdo principal

Oito presidentes da Câmara são citados em delações da Lava Jato

Oito presidentes da Câmara são citados em delações da Lava Jato

Bernardo Barbosa
Do UOL, em Brasília
 Imprimir Comunicar erro
  • Arte/UOL
    Maia, Temer, Cunha e Aécio são citados em delações da Lava Jato
    Maia, Temer, Cunha e Aécio são citados em delações da Lava Jato
Favorito à reeleição para a presidência da Câmara dos Deputados, cuja votação acontece nesta quinta (2), Rodrigo Maia (DEM-RJ) figura entre os oito ocupantes e ex-ocupantes do cargo que são citados em depoimentos de delatores da Operação Lava Jato. 
Entre os ex-presidentes da Casa mencionados estão o atual presidente da República, Michel Temer (PMDB); Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que está preso e teve o mandato cassado; e o hoje senador Aécio Neves (PSDB-MG), também presidente do PSDB.
Completam a lista o ainda deputado federal Marco Maia (PT-RS); Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), ministro do Turismo nos governos Dilma e Temer; Aldo Rebelo (PCdoB-AM), ministro nos governos Lula e Dilma; e Luís Eduardo Magalhães, falecido em 1998 (PFL-BA, atual DEM).
Presidentes e ex-presidentes da Câmara citados
  • Renato Costa/Frame Photo/Estadão Conteúdo
    Rodrigo Maia (2016)
    No acordo de delação do ex-executivo da Odebrecht Cláudio Melo Filho, Rodrigo Maia é acusado de ter recebido R$ 100 mil para quitar despesas de campanha. Em troca, ajudaria a aprovar uma medida provisória de interesse da empreiteira. O deputado nega qualquer irregularidade.Foto: Renato Costa/Frame Photo/Estadão Conteúdo
  • AFP Photo/Andressa Anholete
    Michel Temer (1997-2001 e 2009-2010)
    Melo Filho também afirmou que Temer pediu ao empresário Marcelo Odebrecht, preso há mais de um ano, R$ 10 milhões para a campanha eleitoral do PMDB em 2014. O presidente nega as acusações. Em nota enviada à reportagem, a Secretaria de Imprensa da Presidência afirma apenas que "tudo o que o presidente tinha para falar sobre o assunto, já foi falado".Foto: AFP Photo/Andressa Anholete
  • Luis Macedo/Câmara dos Deputados
    Eduardo Cunha (2015-2016)
    Cunha foi citado em diversas delações como beneficiário de propinas do esquema de corrupção na Petrobras. Em nota enviada ao UOL, a assessoria de Cunha diz que as testemunhas "negaram que ele tenha sido beneficiado por negócios junto à Petrobras" e que "o processo está em andamento e a defesa trabalha pela absolvição do ex-deputado".Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados
  • FLÁVIO TAVARES/HOJE EM DIA/ESTADÃO CONTEÚDO
    Aécio Neves (2001-2002)
    Aécio foi acusado pelo ex-senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS) de ter recebido propinas oriundas de contratos da estatal Furnas. Segundo o senador tucano, as citações feitas por Delcídio ao seu nome são "acusações falsas e requentadas". Em nota, o PSDB diz que "as citações são improcedentes e reproduzem antigas acusações feitas pelo PT em MG com objetivos meramente políticos".Foto: FLÁVIO TAVARES/HOJE EM DIA/ESTADÃO CONTEÚDO
  • Gabriela Korossy/Agência Câmara
    Marco Maia (2011-2012)
    Também segundo Delcídio, Marco Maia "cobrava pedágios" para não convocar empreiteiros e evitar investigações contra os executivos sob suspeita de participação no esquema na Petrobras. O deputado diz ser vítima de uma "mentira deslavada".Foto: Gabriela Korossy/Agência Câmara
  • Alan Marques/ Folhapress
    Henrique Eduardo Alves (2013-2014)
    Henrique Eduardo Alves aparece na delação de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro. Alves teria recebido R$ 1,55 milhão em doações eleitorais oriundos de propina. O deputado nega envolvimento.Foto: Alan Marques/ Folhapress
  • Charles Sholl/Futura Press/Estadão Conteúdo
    Aldo Rebelo (2005-2007)
    Aldo Rebelo foi citado pelo ex-deputado Pedro Corrêa (PP-PE) como receptor de propinas de contratos do Minha Casa, Minha Vida. Rebelo afirma que as declarações de Corrêa são falsas.Foto: Charles Sholl/Futura Press/Estadão Conteúdo

Citação post-mortem

Há ainda o caso de Luís Eduardo Magalhães, presidente da Câmara entre 1995 e 1997 e vítima de um infarto no ano seguinte. Ele foi citado por Pedro Corrêa como um dos líderes do esquema de compra de votos para que a emenda da reeleição fosse aprovada em 1997. A medida beneficiou o então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), eleito novamente em 1998. 
Ainda sob o espectro da Lava Jato, o deputado federal Arlindo Chinaglia (PT-SP), presidente da Câmara entre 2007 e 2009, teria atuado para evitar que o ex-presidente da construtora OAS, Léo Pinheiro, fosse convocado a depor em uma CPI. O deputado disse que, na condição de líder do governo, apenas pesquisou se havia a convocação. Chinaglia não é investigado na Lava Jato.

Mensalão e mensalinho

Desde a Constituição de 1988, marco da redemocratização do Brasil, praticamente todos os presidentes da Câmara viram seus nomes surgirem em polêmicas de níveis variados de gravidade.
João Paulo Cunha (PT-SP), que comandou a Câmara entre 2003 e 2005, foi condenado por corrupção passiva e peculato (desvio de dinheiro público) no julgamento do mensalão, em 2013. Cumpriu pena nos regimes semiaberto e aberto até que, no ano passado, o Supremo concedeu indulto.  
Já o chamado "mensalinho" abateu Severino Cavalcanti (PP-PE) quando ele presidia a Casa, em 2005. Ele renunciou ao posto sob acusação de ter cobrado uma propina de R$ 10 mil para prorrogar o contrato de um restaurante da Câmara. Cavalcanti nega ter cometido o crime.
Inocêncio de Oliveira (PR-PE), presidente da Câmara entre 1993 e 1995, foi condenado pela Justiça do Trabalho por trabalho escravo em 2003. No STF, a ação foi arquivada por falta de provas.
Efraim Moraes (DEM-PB) comandou a Câmara por apenas três meses entre 2002 e 2003, depois que Aécio Neves renunciou para assumir o governo de Minas Gerais. Em 2013, Morais teve R$ 750 mil em bens bloqueados pela Justiça em 2013. Ele foi acusado pelo Ministério Público Federal de ter deslocado para o seu gabinete funcionários do Interlegis, um programa de inclusão digital do Congresso. Ele também teria contratado dezenas de funcionários fantasmas entre 2005 e 2009, ao custo de R$ 6,7 milhões. O ex-senador sempre negou ter cometido irregularidades. 
Há também polêmicas de tom mais folclórico, como quando o peemedebista Paes de Andrade (1927-2015, presidente da Câmara de 1989 a 1991) aproveitou sua interinidade como presidente da República, em 1989, para levar uma comitiva a sua cidade natal, Mombaça (CE).
Já Ibsen Pinheiro (PMDB-RS), presidente da Câmara entre 1991 e 1993, teve seu mandato de deputado cassado em 1994 após a divulgação de um falso dossiê que o implicava no escândalo dos "anões do Orçamento".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda