Pular para o conteúdo principal

Protesto contra descriminalização da corrupção reúne 60 mil romenos


Protesto contra descriminalização da corrupção reúne 60 mil romenos


https://twitter.com/edizioferreiral

 Ouvir texto

0:00
 Imprimir Comunicar erro

  • Inquam Photos/Octav Ganea via Reuters
    Milhares de romenos protestaram em frente à sede do governo no Palácio Victoria em Bucareste
    Milhares de romenos protestaram em frente à sede do governo no Palácio Victoria em Bucareste
Cerca de 60 mil pessoas, segundo a emissora pública "TVR", protestaram nas principais cidades da Romênia neste domingo contra um projeto de lei que prevê a descriminalização de certos crimes de corrupção.

Apesar das temperaturas abaixo de zero, aproximadamente 33 mil cidadãos lotaram pelo segundo domingo consecutivo o centro de Bucareste em uma manifestação que começou na Praça Universitária - onde ocorreram os protestos que marcaram a queda do regime comunista em 1989 - e terminou na Praça Victoria, onde fica a sede do governo.

Ao mesmo tempo, cerca de 10 mil pessoas protestaram em Cluj-Napoca, a segunda maior cidade do país, e outras milhares em Timisoara, Brasov, Sibiu e Iasi.


O governo social-democrata anunciou a intenção de aprovar por decreto uma lei que despenaliza crimes por abuso de poder e corrupção se o prejuízo causado ao Estado for menor que 44 mil euros.

Também está previsto anistiar 2,7 mil condenados por crimes menores, inclusive alguns por corrupção, e reduzir pela metade a pena aos presos com mais de 60 anos, independentemente do crime cometido.

"Não queremos a renúncia do governo, queremos que respeitem as promessas pelas quais foram eleitos, não que proponham leis aberrantes que ajudam apenas poucos", expressa o manifesto da organização civil que convocou o protesto através da rede social Facebook.

Os manifestantes levaram vários cartazes com mensagens como "Respeito ao Estado de Direito", "O país pede: sem perdão" e "Na democracia, os ladrões estão atrás das grades".

O primeiro-ministro, Sorin Grindeanu, disse neste domingo que os protestos têm uma motivação política e que estão "distorcendo" o objetivo do governo com esta reforma.

"Acho que o povo romeno está demonstrando com estas manifestações que não quer nenhuma anistia", afirmou à Agência Efe Cosmin Neagu, um pensionista que participou da manifestação.

Os manifestantes denunciaram o que consideram manipulação informativa por parte de várias emissoras de televisão cuja linha editorial apoia a reforma e pediram a renúncia do ministro da Justiça, Florin Ioardache, que insiste em adotar os decretos.

O presidente da Romênia, Klaus Iohannis, que se opõe aos decretos, iniciou na terça-feira passada os trâmites para convocar um referendo sobre essa reforma legal.https://twitter.com/edizioferreiral

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

Os 7 lugares impenetráveis do mundo

Os 7 lugares impenetráveis do mundo NOV 23 2009
Segue a lista dos 7 lugares de impossível acesso espalhados pelo mundo. São invulneráveis à entrada de qualquer pessoa não autorizada e foram estrategicamente construídos para evitar que isto aconteça. Look: . 1. O abrigo de sementes do fim do mundo A caverna (ou abrigo) de sementes do juízo final situa-se numa ilha norueguesa no Oceano Ártico aberto em 2008, criando um banco de mais de 100 milhões de sementes representando todas as principais culturas alimentares na Terra.
Trata-se então de uma gigante Arca de Noé afim de preservar a nossa flora, por milhares de anos. Se nossas espécies se acabarem por guerras, doenças ou até mesmo pelo aquecimento global, poderão ser reabastecidas a partir destas sementes, que estão protegidas 400 pés montanha abaixo, com todo o tipo de proteção para conservar nossas sementes. O local é constantemente protegido por guardas armados, pode suportar terremotos de magnitude 7º e também resiste a um ataque nuc…