Pular para o conteúdo principal

lição de vida

Resumo do livro: Violetas na Janela

Genteeee está aí uma pequena amostra do que é esse enorme e lindo livro, aliás, saiu  um pouquinho grande, por que eu quis focar e comentar bastante sobre partes que achei muito interessante e legal de discutir sobre o livro!! Espero que vocês gostemmmmmm ;)!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!




        O livro violetas na janela conta sobre uma menina que se desencarnou de uma forma bem rápida, sendo encaminhada logo para uma colônia do plano espiritual.
         Patrícia ao despertar estranhou bastante o lugar que estava, pois, ao seu redor não via ninguém que conhecia. Depois de muito indagar sobre o que tinha acontecido com ela, chegou um homem que se apresentou como Maurício e falou que era amigo de seu pai e estava ali somente para ajuda-la.
         Ainda sem entender que não estava mais na terra, encarnada, recebeu uma visita da sua avó que já havia desencarnado havia um bom tempo. Depois de reencontrar a avó, Patrícia começou a ligar todos os fatos e entender que todas aquelas notícias e reflexos que recebia de familiares chorando, não passava de seus queridos parentes lamentando a sua perca durante o velório.
         Quando desencarnamos a necessidade de se alimentar e tomar banho acabam, pois, isso não se passa de desejos do corpo físico. Mas não quer dizer que a pessoa consegue perder esses hábitos de uma hora para outra, assim Maurício riu mais disfarçou quando Patrícia lhe pediu sinceramente incomodada para que tomasse um banho e, em seguida comesse algo para saciar a fome, que na verdade só existia em seu pensamento.
         A menina desencarnada, foi amparada e levada ao auxílio para a colônia São Sebastião, que era bem menor que Nosso Lar, conhecida por Patrícia somente por leituras que realizava em livros espíritas ainda quando estava na terra.
         Sua avó com bastante carinho limpou as suas roupas com o fluido mental e, em seguida, levou-as ao quarto para que Patrícia as usasse. Mas, foram se passando os dias e, ela conseguiu com a força do pensamento fazer o trabalho da limpeza de suas roupas sozinha, também foi perdendo a vontade de comer, pois, os ensinamentos morais que ela recebia de Maurício, sua avó, amigas e familiares que havia encontrado novamente eram vários e belos, assim ela passava a maior parte do tempo procurando conhecer coisas e pessoas novas da colônia São Sebastião invés de ficar pensando em sempre tomar os seus belos banhos, deixando em seguida seus cabelos bem hidratados e controlar a sua ansiedade de devorar tudo que lhe vinha pela frente.
 Outro fenômeno que impressionou bastante Patrícia, foi quando ela sem ter nem se esforçado bastante para deixar os seus cachos bem bonitos, eles ficaram, mas Maurício explicou que aquilo acontecia em tudo que ela desejava que ficasse do jeito que ela queria no plano espiritual, mas só bastava uma única chave: estar bastante bem interiormente!
         Em uma bela tarde a sua avó lhe levou para conhecer um meio de transporte que existia lá na colônia conhecido como aerobus. Ele tinha a função de transportar um pouco mais rápido os espíritos de um local para outro no céu. Continuando a caminhada, as duas se divertiram bastante com um fenômeno muito lindo que se chamava “volitar”, ou seja, a pessoa voava na colônia para se deslocar de lugares com uma forma bem melhor.
         Ainda nesse passeio, Patrícia e a sua avó, receberam visitas de três amigas. Uma delas contou um pouco como foi a sua morte, que por visto foi bem trágica e sofrida, pois, ela começou a desenvolver um câncer em um órgão do corpo que foi se espalhando para todos os outros órgãos de forma bem lenta e dolorosa, até que um dia do nada ela sentiu uma forte dor e em seguida só conseguiu enxergar um clarão bem grande, ou seja, já tinha se encaminhado para a desencarnação.
         Passando-se alguns dias, Maurício tinha comentado com Patrícia que na colônia que eles estavam, existiam escolas, e que se ela quisesse poderia entrar nelas facilmente! Foi dito e feito! A jovem menina aceitou na hora a estranha maneira de se matricular numa escola que estava abrigada no plano espiritual, sem contar, que só por estar nessa colônia de atendimento, Patrícia era bastante agradecida, pois como ela pertencia a uma família de religião espírita, já havia visto falar no umbral, por esse motivo, agradecia sempre a Deus por não ter ido para esse tenebroso local!
         Como um grande presente, Patrícia ganhou uma visita para ver todos os seus familiares em sua casa, mas logo se retornar ao plano espiritual, pois, a partir daquele momento ia ser lá o lugar dela.
         Enfim, cada vez mais e mais Patrícia se esforçava para aprender novos ensinamentos na colônia, assim já nem se alimentava mais, pois, aprendera a absorver o alimento no ar da atmosfera. Agradeceu bastante a Maurício por ter aturado ela esse tempão ao seu lado, pedindo desculpas também. Crescendo cada vez mais a sua felicidade e empolgação por passar em outra fase mais elevada das colônias, indo ser útil e estudar em outra escola!!!
        

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda