Pular para o conteúdo principal

Noticias do Acre

Servidores da saúde em Cruzeiro do Sul denunciam governo por falta de pagamento de “insalubridade”

 Archibaldo Antunes - antunes.acre@gmail.com  17/03/2017  09:34:53
Corresponde no Vale do Juruá
Cerca de 20 servidores da Unidade Mista de Saúde da Vila Santa Luzia (a 42 quilômetros do perímetro urbano da cidade de Cruzeiro do Sul) podem cruzar os braços a qualquer momento. A razão é o atraso no pagamento da gratificação por insalubridade a que eles têm direito. Segundo denúncia feita ao ac24hpras, desde 2012 a Secretaria de Estado de Saúde não repassa o valor referente ao benefício.
“Queremos receber os retroativos, mas já tentamos de tudo. A única coisa que nos dizem é que a liberação do pagamento está na mesa do secretário [de Saúde, Gemil Júnior]”, afirmou o denunciante, que pediu para não ter o nome revelado.
A reportagem tentou entrar em contato com o representante da saúde estadual no Juruá, Itamar de Sá, mas ele não atendeu às ligações.

Falta ambulância

A falta de pagamento da insalubridade não é único problema da Unidade Mista de Saúde, segundo nossa fonte. Falta ambulância para os pacientes, que em caso de risco de morte precisam ser transportados em uma caminhonete Amarok até o Hospital Regional do Juruá.
De acordo com o denunciante, o veículo só está disponível de segunda a sexta-feira. Nos finais de semana e feriados, os pacientes precisam aguardar a viatura que serve à população de Rodrigues Alves.
Há casos de pessoas seriamente feridas que teriam ficado cinco horas à espera do translado até o hospital.
Em janeiro deste ano, o site denunciou as péssimas condições da Unidade Mista de Saúde da Vila Santa Luzia, cuja cozinha teve de ser transferida para um antigo box da Polícia Militar, atualmente desativado.
Um pavilhão inteiro da unidade foi desativado. Não há previsão para o início das reformas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

Os 7 lugares impenetráveis do mundo

Os 7 lugares impenetráveis do mundo NOV 23 2009
Segue a lista dos 7 lugares de impossível acesso espalhados pelo mundo. São invulneráveis à entrada de qualquer pessoa não autorizada e foram estrategicamente construídos para evitar que isto aconteça. Look: . 1. O abrigo de sementes do fim do mundo A caverna (ou abrigo) de sementes do juízo final situa-se numa ilha norueguesa no Oceano Ártico aberto em 2008, criando um banco de mais de 100 milhões de sementes representando todas as principais culturas alimentares na Terra.
Trata-se então de uma gigante Arca de Noé afim de preservar a nossa flora, por milhares de anos. Se nossas espécies se acabarem por guerras, doenças ou até mesmo pelo aquecimento global, poderão ser reabastecidas a partir destas sementes, que estão protegidas 400 pés montanha abaixo, com todo o tipo de proteção para conservar nossas sementes. O local é constantemente protegido por guardas armados, pode suportar terremotos de magnitude 7º e também resiste a um ataque nuc…