Pular para o conteúdo principal

O cartel de Sinaloa


‘Narcoviolência’ atinge novo pico de crueldade no México: corpos jogados de aviões

A luta pelo poder no cartel de Sinaloa escancara a escalada de violência de uma nova geração, semelhante à dos cartéis de Cali e Medellín

Um grupo de soldados vistoria o telhado no qual foi encontrado o corpo supostamente atirado de um pequeno avião.
Um grupo de soldados vistoria o telhado no qual foi encontrado o corpo supostamente atirado de um pequeno avião. REUTERS
A cena poderia ser a sequência de qualquer série sobre narcotraficantes, mas mais uma vez, quando todos os limites da brutalidade pareciam ultrapassados, no México a realidade consegue novamente superar a ficção. Um corpo foi encontrado na quarta-feira, dia 12 de abril, depois de supostamente ter sido atirado de um pequeno avião em Eldorado, localidade a 50 quilômetros de Culiacán, a capital do Estado de Sinaloa, onde o cartel da região trava uma batalha intensa depois da extradição para os Estados Unidos de seu líder, Joaquín Guzmán Loera, El Chapo Guzmán.
O fato aconteceu na madrugada da quarta-feira e o corpo foi encontrado pela manhã, em torno das 6h30, completamente desfigurado, no teto de uma clínica. Segundo apontam vários veículos locais, o homem, que ainda não foi identificado devido ao estado em que seu corpo se encontra, vestia uma camiseta vermelha, meias cinzas e não usava calças. Alguns veículos afirmam também que horas depois outro corpo foi encontrado, também destruído, enquanto outras informações dão conta de que se tratavam de mais dois corpos, que foram recuperados por um grupo armado da região.
Nenhuma fonte oficial confirmou até agora que o corpo tivesse sido jogado de um avião, mas os conhecedores do terreno e da guerra que se abriu no cartel de Sinaloa com a ausência do Chapo afirmam que isso confirma as práticas que se vinham especulando há um bom tempo. O terror como mensagem. “Não tenho qualquer dúvida de que foi atirado de um avião. A única coisa que não sabemos é se foi jogado vivo ou já morto”, afirma o jornalista de Río DoceJavier Valdez, um dos repórteres que mais escreveu sobre o tráfico na região. Valdez considera que a escalada de violência chegou a níveis semelhantes aos de 2008, quando os Beltrán Leyva, a família de Guzmán e El Mayo Zambada disputavam o poder. Não é só a brutalidade, mas também o clima em Sinaloa: “É tudo confuso, a paranoia, o não sair de casa, a falta de autoridade por cumplicidade ou omissão... A única diferença é que agora a violência se deslocou para as zonas rurais de Culiancán, não para a própria cidade como na época, quando se transformou em um necrotério”.
A violência voltou a enfurecer Sinaloa depois da extradição de El Chapo, no início do ano. Nos dois primeiros meses de 2017 tinham sido registrados mais de 230 homicídios, um número que analistas da região consideram que já duplicou. O aumento da violência foi acompanhado de um recrudescimento das formas como se mata. “Temos uma geração mais violenta de traficantes. Já não basta matar, é preciso mostrar o corpo”, afirma Valdez. Martín Barrón, do Instituto Nacional de Ciências Penais, concorda —“é uma profissionalização da arte de matar”— e compara com os atos sanguinários dos anos oitenta e noventa dos cartéis colombianos de Cali e Medellín, nos quais surgiram os paramilitares e a guerrilha das FARC. “Isso também evidencia os vínculos e a relação que ainda existe entre traficantes colombianos e mexicanos”, acrescenta Barrón.
A extradição de El Chapo para os Estados Unidos abriu uma guerra pelo poder no cartel de Sinaloa, que Guzmán Loera controlava de onde estivesse. Uma das facções que tenta tirar a liderança da organização criminosa dos familiares de El Chapo é a de Dámaso López, que domina exatamente a região em que foi encontrado o corpo atirado do avião. Antes aliado de Guzmán Loera, López, que já foi policial ministerial, cresceu dentro do cartel depois de ser um dos artífices da primeira fuga de El Chapo.
A falta de liderança, no entanto, não acaba com o mercado. Apesar das disputas internas, lembra Martín Barrón, o cartel de Sinaloa continua passando por um momento próspero: “Mais de 60% da heroína que circula pelos Estados Unidos é comercializada por eles e, no caso das drogas sintéticas, a porcentagem é de 30% ou 40%. Há alguma coisa aí que funciona para eles”.

MAIS INFORMAÇÕES

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda