Pular para o conteúdo principal

Vale do Bekaa veja aqui

Vale do Bekaa

A grafia do nome varia bastante: Bekaa, Beqaa, Biqa, Becaa... Mas trata-se do mesmo lugar, a região agrícola mais importante do Líbano.
A 30 km de Beirute, o Vale do Bekka, com altitude média de 1.000 m acima do nível do mar, está localizado entre o Monte Líbano e o Antilíbano, cordilheira que marca a fronteira entre o Líbano e a Síria. O Vale do Bekka fica protegido, pelas montanhas, do clima desértico de um lado, e das chuvas marítimas, do outro.
Essa é uma região com verões quentes e secos com noites sempre muito frias, quando a alta amplitude térmica proporciona as condições ideiais para complexidade e excelentes níveis de acidez nos vinhos.
Os invernos, por sua vez, são úmidos e rigorosos, muitas vezes cobertos pela neve. Falando em neve, aliás, aqui no Vale do Bekaa são produzidos interessantes Icewines. Para ler mais sobre esse estilo de vinho, clique aqui.
A vocação agrícola do Vale do Bekaa é tão antiga, que esse local era conhecido como o “cesto de pães do Império Romano”.
E é aqui que localizam-se a maioria dos vinhedos libaneses, algo em torno de 90% deles, na verdade. É no Vale do Bekaa que ficam os vinhedos e as vinícolas responsáveis pela excelente reputação dos vinhos libaneses ao redor do mundo.
Apesar da história vitivinícola libanesa ter milhares de anos, sua era moderna começou em 1857, com o cultivo da Cinsault, cepa francesa que logo trouxe para sua companhia vinhas das tintas Grenache, Carignan, Mourvèdre, Syrah, Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet Franc e Petit Verdot, sem falar nas brancas Chardonnay, Muscat, Sauvignon Blanc, Sémillon e Viognier.
Mas nem só de uvas francesas, ou internacionais, vivem os vinhedos libaneses. Muito pelo contrário, aliás. As cepas nativas Merweh e Obaideh são cultivadas para a produção de arak, destilado aromatizado de anis, produzido por quase todas as vinícolas locais. E alguns produtores, felizmente, reservam parte dessas uvas para a produção de vinho, também.
Curiosidades para encerrar:
 O Vale do Bekaa é famoso, também, pela presença de sítios arqueológicos magníficos.
 Zahle, uma cidade de 150.000 habitantes, é a capital de Bekaa, e é conhecida como a Cidade do Vinho e da Poesia.
Bem-vindo ao Vale do Bekaa. Aceita uma taça de vinho?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

Os 7 lugares impenetráveis do mundo

Os 7 lugares impenetráveis do mundo NOV 23 2009
Segue a lista dos 7 lugares de impossível acesso espalhados pelo mundo. São invulneráveis à entrada de qualquer pessoa não autorizada e foram estrategicamente construídos para evitar que isto aconteça. Look: . 1. O abrigo de sementes do fim do mundo A caverna (ou abrigo) de sementes do juízo final situa-se numa ilha norueguesa no Oceano Ártico aberto em 2008, criando um banco de mais de 100 milhões de sementes representando todas as principais culturas alimentares na Terra.
Trata-se então de uma gigante Arca de Noé afim de preservar a nossa flora, por milhares de anos. Se nossas espécies se acabarem por guerras, doenças ou até mesmo pelo aquecimento global, poderão ser reabastecidas a partir destas sementes, que estão protegidas 400 pés montanha abaixo, com todo o tipo de proteção para conservar nossas sementes. O local é constantemente protegido por guardas armados, pode suportar terremotos de magnitude 7º e também resiste a um ataque nuc…