Pular para o conteúdo principal

NÃO DÁ PARA ACREDITAR

Justiça brasileira: vergonha nacional
 
Foi-se o tempo em que a palavra de ordem dos brasileiros ávidos por justiça era: “queremos justiça”. Isto ficou apenas no imaginário de muitos e escrachada pelas figuras que vestem toga ou beca. O descalabro na Justiça brasileira passa de vexatória a ridícula diante da irresponsabilidade de alguns. Não pelo fato de a maioria dos magistrados ultrapassar a idade de assimilação, mas pela incompetência profissional combinada com à preguiça e a ganância financeira de muitos.
Os tribunais espalhados por este país não tem mais lugar para amontoar os calhamaços de processos e papéis que nunca foram folheados ou vistos. A premissa de que há poucos juízes para tantos processos não convence o mais abestalhado dos barnabés.  Os detentores de cargos na magistratura brasileira desfrutam da mais invejável mordomia estabelecida ao terceiro poder no país. A Justiça é cega e vai permanecer cega para não ver seus disparates.
Com a onda de protestos em todos os recantos do Brasil, desencadeados a partir da revolta de brasileiros incomodados com a omissão e corrupção dos poderes, a Justiça brasileira perdeu a pose de “intocável” e já se pode mostrar a “caixa preta” da nau sem rumo. A nível nacional, o que se vê são discussões e bravatas entre os “poderosos” numa clara demonstração de vaidade e interesse pessoal.
Quem não se lembra dos embates entre o presidente e vice do STF, Joaquim Barbosa e Ricardo Lewandowski, onde permanentemente medem força e jogam para a plateia como se fossem os donos do time de onze ministros colocados nas confortáveis cadeiras do Supremo pelas mãos dos presidentes do Brasil? Que contribuição esses senhores acrescentam para a Justiça a não ser o desgaste?
NÃO DÁ PARA ACREDITAR 
Como podemos acreditar na Justiça brasileira com tantas benesses aos verdadeiros corruptos sem falar na venda de sentenças e outras coisas mais? Lembram-se dos mensaleiros?  E do José Genuíno, que pegou seis anos e nove meses de prisão por roubo e sua sentença foi tomar posse na Câmara dos Deputados. E mais recentemente, do bicheiro Carlinhos Cachoeira, que foi condenado a trinta e nove anos e oito meses de prisão e como reconhecimento pelo mérito, a Justiça deu-lhe o gozo de férias em lua de mel na Bahia.
São tantas coisinhas miúdas no nosso Judiciário que faz-nos desacreditar em tudo e em todos. Incongruências, eternos retornos, coisa julgada que passa a não ser mais por decisão de um único ministro do Supremo Tribunal Federal. Processos na gaveta indefinidamente. Demora na prestação jurisdicional, precatórios que são empurrados com a barriga. Enfim, uma verdadeira falta de vergonha e que ainda somos obrigados a bancar esse Poder.
As OABs calam-se inertes diante do quadro desalentador. As entidades que defendem os direitos dos advogados já deveriam tomar as ruas à moda dos jovens caras pintadas, mas ninguém quer se indispor diante de suas excelências. Enquanto isso, o Brasil vai descendo a ladeira pela falta de credibilidade geral, ampla, total e irrestrita.
Vilson Santos
JORNALISTA

 1  
- See more at: http://www.jornaldacidadepi.com.br/detalhe.php?n=6525&e=53#sthash.lHm1h0rb.dpuf

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

Os 7 lugares impenetráveis do mundo

Os 7 lugares impenetráveis do mundo NOV 23 2009
Segue a lista dos 7 lugares de impossível acesso espalhados pelo mundo. São invulneráveis à entrada de qualquer pessoa não autorizada e foram estrategicamente construídos para evitar que isto aconteça. Look: . 1. O abrigo de sementes do fim do mundo A caverna (ou abrigo) de sementes do juízo final situa-se numa ilha norueguesa no Oceano Ártico aberto em 2008, criando um banco de mais de 100 milhões de sementes representando todas as principais culturas alimentares na Terra.
Trata-se então de uma gigante Arca de Noé afim de preservar a nossa flora, por milhares de anos. Se nossas espécies se acabarem por guerras, doenças ou até mesmo pelo aquecimento global, poderão ser reabastecidas a partir destas sementes, que estão protegidas 400 pés montanha abaixo, com todo o tipo de proteção para conservar nossas sementes. O local é constantemente protegido por guardas armados, pode suportar terremotos de magnitude 7º e também resiste a um ataque nuc…