Pular para o conteúdo principal

Parabéns Herman Benjamin

Herman Benjamin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Herman BRASILEIRO Benjamin
Herman BRASILEIRO Benjamin
Ministro do Superior Tribunal de Justiça do Brasil
Mandato:6 de setembro de 2006
até a atualidade
Nomeação por:Luiz Inácio Lula da Silva
Antecessor(a):Edson Vidigal
Ministro do Tribunal Superior Eleitoral do Brasil
Mandato:27 de outubro de 2015
até a atualidade
Antecessor(a):João Otávio de Noronha
Nascimento:13 de novembro de 1957 (59 anos)
Catolé do RochaParaíba
Alma mater:Universidade Federal do Rio de Janeiro
Antonio Herman de Vasconcellos e Benjamin (Catolé do Rocha13 de novembro de 1957) é um juristamagistradoambientalista e professor universitário brasileiro, atual ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ)[1], ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)[2] e corregedor-geral da Justiça Eleitoral.
Um dos elaboradores do Código de Defesa do Consumidor e da Lei dos Crimes contra o Meio Ambiente, é também diretor da Comissão de Direito Ambiental da União Internacional para a Conservação da Natureza[3] e professor de diversas instituições do Brasil e exterior.
Foi relator do processo de cassação da chapa Dilma-Temer julgado no TSE.[4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Formação acadêmica e docência[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Catolé do RochaParaíba, filho de Iracema Fernandes Maia (de Vasconcelos) e do médico clínico Antônio Benjamin Filho (1922-2011)[5]. Seu avô materno, João Sérgio Maia (1907 - 1984), foi desembargador do Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba, presidente do Tribunal Regional Eleitoral e prefeito de Catolé do Rocha na década de 1930[6], cargo este que também foi ocupado por mais de uma vez por seu tio-avô, José Sérgio Maia (1913-1992)[7]. Logo, também é primo distante de José Agripino Maiasenador pelo estado do Rio Grande do Norte, e de Lavoisier Maia Sobrinho.
Antonio Herman fez o primário no Colégio Francisca Mendes e no Colégio Dom Vital, em sua cidade natal, cursando depois o ginasial no Colégio Marista Pio X, em João Pessoa. O colegial, ele o completou no Colégio Nóbrega Jesuítas e no Colégio ESUDA, ambos do RecifePernambuco[8].
Aos doze anos foi encaminhado pelos pais ao Rio de Janeiro[9] para estudar. Nessa cidade, em 1980, formou-se em direito pela Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Na sequência, cursou mestrado em direito (LL.M.) na University of Illinois College of Law, concluído em 1987.[1]
Desde 1995 é professor-visitante da Faculdade de Direito da Universidade do Texas, onde leciona Direito ambiental. De 1999 a 2001 foi professor-visitante da Faculdade de Direito da Universidade de Illinois.[1] É professor da Universidade Católica de Brasília.

Ministério Público[editar | editar código-fonte]

De 1982 a 2006 foi membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Foi promotor de justiça titular em BananalSanta IsabelRibeirão Pires e Santo André, entre 1983 e 1984, e na capital paulista entre 1984 e 1994, quando foi promovido ao cargo de procurador de justiça.[1]
Integrou, de 1988 a 1990, a comissão de juristas que redigiu o Código de Defesa do Consumidor,[10] e de 1996 a 1998 foi membro e relator-geral da comissão de juristas no Ministério da Justiça responsável pelo projeto da Lei dos Crimes contra o Meio Ambiente.[1]
De 1996 a 2000 foi coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça do Meio Ambiente e, em 2006, foi eleito coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Direitos do Consumidor - CENACON.[1]
De 2001 a 2006, foi conselheiro do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), indicado pelo presidente Fernando Henrique Cardoso e reconduzido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.[1]

STJ e TSE[editar | editar código-fonte]

Em 2006, foi escolhido pelo presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, após indicação em lista sêxtupla pelo Ministério Público e em lista tríplice pelos ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ), para o cargo de ministro, em vaga destinada a membro do Ministério Público, substituindo o ministro Edson Vidigal, aposentado. Após sabatina no Senado Federal, seu nome foi aprovado pelo plenário daquela casa com 51 votos favoráveis, dois contrários e uma abstenção.[11] Foi empossado em 6 de setembro de 2006.[12]
Em 7 de maio de 2014, foi eleito ministro substituto do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ocupando a vaga aberta com a renúncia de Humberto Martins, que tomara posse como corregedor do Conselho da Justiça Federal. Na ocasião, substituiu aos titulares Laurita Vaz, então corregedora-geral eleitoral, e João Otávio de Noronha. Findo o mandato deste último, em 29 de setembro de 2015, Herman foi eleito para sua vaga em caráter definitivo, sendo empossado em 27 de outubro seguinte. O ministro Jorge Mussi do STJ foi eleito para ministro substituto. Em 9 de agosto de 2016, foi eleito corregedor-geral da Justiça Eleitoral, substituindo Maria Thereza Rocha de Assis Moura, tomando posse do dito cargo no fim do dito mês.[2]
Como ministro do Tribunal Superior Eleitoral, foi o relator do processo por abuso do poder econômico contra a chapa eleitoral de Dilma Rousseff e Michel Temer,[4] do qual teve o voto vencido por 4 votos a 3.[13]

Referências

  1. ↑ Ir para:a b c d e f g «Ministro Herman Benjamin». Superior Tribunal de Justiça. Consultado em 15 de março de 2017
  2. ↑ Ir para:a b Perfil no sítio do Tribunal Superior Eleitoral
  3. Ir para cima «Commission Chairs»IUCN (em inglês). 28 de junho de 2016
  4. ↑ Ir para:a b «O juiz que tem nas mãos o futuro político do Brasil». Diário de Notícias. 5 de abril de 2017. Consultado em 28 de maio de 2017
  5. Ir para cima Humberto Vital (1 de fevereiro de 2011). «Médico Antônio Benjamin Filho morre aos 88 anos». Portal Catolé News. Consultado em 7 de junho de 2017
  6. Ir para cima Clélia Toscano (20 de outubro de 2016). «Complexo Judiciário da Capital vai receber o nome do Desembargador João Sérgio Maia». Portal do Tribunal de Justiça da Paraíba. Consultado em 7 de junho de 2017
  7. Ir para cima Humberto Vital (23 de abril de 2013). «Catolé do Rocha comemora nesta terça, centenário de nascimento do ex-prefeito José Sérgio Maia». Consultado em 7 de junho 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

Os 7 lugares impenetráveis do mundo

Os 7 lugares impenetráveis do mundo NOV 23 2009
Segue a lista dos 7 lugares de impossível acesso espalhados pelo mundo. São invulneráveis à entrada de qualquer pessoa não autorizada e foram estrategicamente construídos para evitar que isto aconteça. Look: . 1. O abrigo de sementes do fim do mundo A caverna (ou abrigo) de sementes do juízo final situa-se numa ilha norueguesa no Oceano Ártico aberto em 2008, criando um banco de mais de 100 milhões de sementes representando todas as principais culturas alimentares na Terra.
Trata-se então de uma gigante Arca de Noé afim de preservar a nossa flora, por milhares de anos. Se nossas espécies se acabarem por guerras, doenças ou até mesmo pelo aquecimento global, poderão ser reabastecidas a partir destas sementes, que estão protegidas 400 pés montanha abaixo, com todo o tipo de proteção para conservar nossas sementes. O local é constantemente protegido por guardas armados, pode suportar terremotos de magnitude 7º e também resiste a um ataque nuc…