Pular para o conteúdo principal

O Acre na linha do trem !

quarta-feira, 9 de agosto de 2017


Governo do PT do Acre quer incentivar a plantação de maconha para alavancar agricultura local e legalizar a “boca de fumo”


Não me causou nenhuma surpresa a proposta do deputado petista, Daniel Zen, sobre a legalização da maconha. Zen faz parte da bancada de partidos que debate, no Congresso Nacional, 867 projetos que, de alguma forma, agridem a família tradicional, assim como os princípios cristãos.

Como pré-candidato ao governo do Acre, não se admire se, Zen, ao conseguir emplacar usa candidatura, não imprima tal proposta, como uma das saídas econômicas para o estado do Acre. São fortes os estudos técnicos sobre a necessidade do plantio da maconha em ambientes quentes e ensolarados, luzes e cultivo artificiais, variedades adaptadas através de melhoramento genético, milhares de tipos e híbridos.

Mais o que realmente está por trás disso?
Trata-se de uma estratégia de manipulação, de engenharia social. Ora, foi durante os governos do PT do Acre que nasceu o Bonde dos 13, a facção com o DNA acreano. Nada mais objetivo do que, em seu suposto continuísmo, seja com Zen, ou qualquer outro candidato, o grande projeto seja o de fortalecer a “sociedade entorpecida”. Pelo menos é isso que a proposta deixa transparecer. 

Concordo com a presidente da Comissão dos Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Acre, deputada Eliane Sinhasique, que ver nessa proposta a legalização da “Boca de Fumo”, tornando-a em pequenas empresas de grandes negócios. O Acre – com milhares de fronteiras abertas – será definitivamente referência no “paraíso da contravenção”.

E olha que nem estamos abordando o aspecto jurídico, ou que chamamos de “mínimo moral” que uma sociedade leva em consideração para preservar o bem comum. Nesse aspecto, estranha-me o silêncio das Igrejas, Pastores, Padres e sacerdotes que travam em suas instituições de fé, verdadeiras batalhas no enfrentamento da violência urbana, fruto, exatamente, do uso das drogas.

Condutas pecaminosas que atingem diretamente a família devem ser penalizadas. Daí a necessidade de a sociedade olhar mais profundamente para quem pretende eleger para representá-lo, seja no parlamento, seja no executivo. Daniel Zen é lider do governo na Assembleia Legislativa. Esse grupo quer lançar Marcus Alexandre ao Palácio Rio Branco. 

Maconha – tem a característica de desagregar a sociedade e contribuir para o mal – não servirá ao bem comum. E não precisa ser nenhum especialista para chegar a essa conclusão, muito menos, recorrer a argumentos religiosos, basta que qualquer pessoa de boa vontade recorra tão somente ao uso da razão. 

Arte de Ray Melo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR ONDE ANDA ?BARROS DE ALENCAR

BARROS DE ALENCAR POR ONDE ANDA ? Atualmente está participando do programa Kaká Siqueira na Rádio Record AM (1.000 kHz - São Paulo/SP), onde apresenta o quadro "Momento Barros de Alencar". BREVE HISTÓRICO: Comunicador, radialista, cantor e apresentador de TV. Paraíbano da cidade de Uiraúna, nasceu no dia 5 de agosto. Começou na Rádio Borburema, em Campina Grande - PB. Depois passou por Recife, Fortaleza e Belo Horizonte até chegar a cidade de São Paulo. Na Capital paulista passou pela antiga Rádio Tupi de São Paulo, Record e América. Na década de 80, comandou seu programa na TV Record, levando ao ar os grande sucessos musicais da época.

Povos indígenas no estado de Rondônia, fotos inéditas dos índios isolados do Acre

Povos indígenas no estado de Rondônia
Aikanã, Ajuru, Amondawa, Arara, Arikapu, Ariken, Aruá, Cinta Larga, Gavião, Jabuti, Kanoê, Karipuna, Karitiana, Kaxarari, Koiaiá, Kujubim, Makuráp, Mekén, Mutum, Nambikwara, Pakaanova, Paumelenho, Sakurabiat, Suruí, Tupari, Uru Eu Wau Wau, Urubu, Urupá
1-Povo Uru-Eu-Wau-Wau
A população da Terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau é composta por vários subgrupos, como: Jupaú, Amondawa e Uru Pa In. Encontram-se distribuídos em 6 aldeias, nos limites da Terra Indígena, por questões de proteção e vigilância. Além destas etnias, há presença de índios isolados como os Parakuara e os Jurureís.
Os Jupaú traduzem sua autodenominação como "os que usam jenipapo". A denominação "Uru-eu-wau-wau" foi dada aos Jupaú pelos índios Oro-Uari.
Muitos foram os nomes atribuídos aos Uru-Eu-Wau-Wau. As denominações Bocas-Negras, Bocas-Pretas, Cautários, Sotérios, Cabeça-Vermelha, são encontradas na historiografia e estão relacionadas ao espaço geográfico ou a se…

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES

MULHER ENTRA NUA EM CABINE DA PM E CONSTRANGE POLICIAIS MILITARES EM MANAUS Portal do Holanda